Maneiras livres para descobrir onde alguém vive

Como? Há alguns serviços inusitados para se hospedar de graça ou a um preço bem acessível. Confira algumas alternativas abaixo: Hospede-se na casa de um local. Uma das melhores maneiras de se hospedar de graça é ficando na casa de alguém que vive onde você pretende ir. Eu tive um caso com meu vizinho hétero e casado. Então recebi uma mensagem de sua esposa Eu não respondi ao e-mail da mulher do Mike. Eu percebi que era uma responsabilidade dele. GOFFMAN, E., 1922-1982. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada.Tradução Márcia Nunes. 4. ed. Rio de Janeiro: LTC, 1963. 158p. Uma vez que a dinâmica da diferença vergonhosa é considerada uma característica geral da vida social, pode-se passar a encarar a relação entre o seu estudo e o estudo de assuntos próximos associados ao termo “comportamento desviante ... Este é um dos ingredientes básicos para ser feliz! Quem quer agradar a todos não agrada a ninguém. Jean-Jacques Rousseau. 4. Você é responsável por aquilo que faz. Somos livres para falar e fazer o que quisermos, mas também somos obrigados a arcar com todas as consequências de nossas ações! Procure descobrir o seu caminho na vida. Mais do que saber onde fica o supermercado ou o caixa eletrônico mais próximo, a importância de conhecer e interagir com o local onde você vive vai além das necessidades do dia a dia. Pensando nisso, o Viver a Casa listou 4 maneiras de conhecer o seu bairro. Busque a história da região • Conhecer a cada dia o amor de Deus através de relacionamentos onde, em cada, encontro procuremos descobrir maneiras criativas de sermos bênçãos uns para os outros; • Fazermos Cristo conhecido e trazer outros ao Reino de Deus e aceitá-los como irmãos e irmãs na fé. Modos e. Maneiras Beatriz Monteiro da Cunha. 1 Modos e Maneiras - Miolo.indd 1. 16/04/2012 09:03:44

EXPLICANDO MINHA DEPRESSÃO

2019.12.24 01:07 Ofeu EXPLICANDO MINHA DEPRESSÃO

Há algum tempo atrás eu descobri que eu tenho depressão, no início, nem eu mesmo soube aceitar, não era capaz de explicar o que estava acontecendo comigo, eu achava que era apenas uma tristeza como qualquer outra, apenas mais uma dor que toda criança sente após cair ou descobrir que seu primeiro amor não era recíproco, mas não é apenas isso, a tristeza que a depressão causa não é algo de momento, é uma tristeza que veio com a intenção de ficar, a depressão é a visita indesejada que você recebe em casa e não sabe como mandar embora, ela é uma nuvem que a cada dia se torna mais cinza e maior, e continua crescendo até que chova, mas depois da chuva não vem o sol, mas apenas uma nova nuvem, que como a visita, esta disposta a ficar, assim como a visita, sou obrigado a pedir para que a depressão se sente a mesa, ofereço bolo e café, e como a visita, o problema começa quando ela aceita, a visita bate na sua porta todos os dias ao amanhecer, com o tempo ela dorme em sua casa, e logo, já tem a chave da porta!
Os dias são cinzas, cansativos, repetitivos, quebrados, e quando você menos percebe, você faz parte dos dias. Existem diversas maneiras de viver com a depressão, ela pode ser um cachorro, que sempre viverá com você, mas existem uma diversidade de coleiras, umas custam mais que outras, a coleira que eu encontrei para prender o meu cachorro se chama “escrever”, pode parecer algo bobo, mas os problemas parecem ser mais fáceis de resolver quando você pode lê-los em uma folha de papel.
Todo texto que eu escrevo leva uma parte de mim, cada personagem é uma personificação do meu ser, cada um levando um pedacinho dentro de si, nunca por completo, até porque, se um personagem fosse minha personificação, esse automaticamente seria eu, e acreditem em mim, é difícil mostrar para as pessoas quem você é de verdade, aparenta ser mais fácil apresentar para elas distintos personagens, pois não me parece errado que as pessoas conheçam partes de mim ao invés de meu eu por inteiro.
Certa vez me perguntaram “Como é ter depressão?” E é ae que está, eu não me vejo capaz de explicar para alguém algo que nem eu entendo, eu não me vejo capaz de mostrar algo que está dentro de mim, e é por este exato motivo que eu não me vejo capaz de me mostrar para o mundo, mas é por este mesmo motivo que irei tentar, pois nada neste mundo nunca foi capaz de não ser explicado através de uma simples ou complexa metáfora, e como não usar metáforas falando de um assunto tão metafórico por si mesmo. A depressão, querendo ou não ela é uma metáfora, a depressão é a personificação de cada personagem triste criado, de cada verso em prantos recitado, a depressão cria muro de vidros ao meu redor, onde eu sou capaz de ver e ouvir a cada pessoa, mas não sou capaz de tocar, eu não sou capaz de sentir o calor que elas tentam me fornecer, e eu me sinto só dentro de um cubo de vidro, o vidro é frio, mas eu não posso fazer com que ele se aqueça, e embora seja difícil de compreender, o vidro não está do lado de fora mas sim do lado de dentro, eu sei que as pessoas me amam, eu sei que elas se importam, sei que se preocupam, sei que elas querem me ajudar mas a depressão torna o saber em algo insuficiente, a depressão torna o saber em dúvida e a dúvida me faz questionar sobre tudo que já foi um dia questionado antes, me faz questionar sobre se realmente existe alguém do outro lado deste muro de vidro, pois como saber se tudo que vejo não é apenas o reflexo da minha própria mente, e eu vejo, vejo as pessoas gritando, socando o muro e tentando quebra-lo, mas a depressão me torna surdo, e eu não sou capaz de ouvir o quanto eles se importam, é difícil explicar a sensação de saber o quanto você é amado mas não ser capaz de sentir, e a culpa não é das pessoas, mas a culpa também não é minha, a culpa é da depressão que está dentro de mim, mas ela não sou eu, e é ae que a maioria das pessoas erram onde julgam alguém que é apenas a marionete de um ventríloquo obcecado, a marionete tenta de todas as maneiras se soltar das cordas que a controlam mas essas são as cordas que o mantem vivo, e a marionete vai acabar morrendo caso as cordas se partam, pois sem as cordas a marionete cairá de seu palco até que caia no chão e se torna apenas cacos, mas a marionete está disposta a se livrar do ventríloquo de qualquer maneira, então a depressão decide te transformar no ventríloquo, mas um ventríloquo que não tem uma marionete, a depressão faz com que você se sinta culpado por tudo que acontece ao seu redor, e a parede de vidro finalmente se quebra o deixando livre, mas os cacos te machucam, eles fazem você sangrar, e eu continuo me sentindo culpado por todas as coisas que já aconteceram pois embora eu seja uma pessoa boa eu possuo o meu lado ruim, e eu o odeio, ah como odeio, ele é um monstro que vive dentro de mim, mas ele vive do lado de fora da parede de vidro, e tudo que eu tenho para controla-lo é apenas uma corda que eu devo segurar com toda a força para que eu não machuque as pessoas ao meu redor, mas a minha mão dói, eu não sou forte o suficiente para continuar segurando a corda, a minha mão sangra, e eu acidentalmente deixo o monstro escapar e nos poucos segundos que ele pode ser livre, destrói tudo ao meu redor, as pessoas acham que eu sou o monstro, a depressão faz com que eu ache que as pessoas me machucam, a depressão me diz que as pessoas são monstros, mas no mesmo momento em que elas me machucam a depressão diz que o único monstro sou eu, eu me sinto só, mesmo rodeado de pessoas, eu quero chorar em todo momento, mas eu nunca encontro um abrigo do qual eu possa habitar, eu me sinto quebrado como a marionete que caiu de seu palco, mas a marionete não morreu e este é o problema pois estar quebrado dói, e a dor só aumenta a cada dia, é uma dor indescritível, uma dor que acontece por dentro mas eu não sei exatamente onde, é como uma queda que nunca vai acabar, um amor não recíproco que eu nem cheguei a encontrar, e mesmo que eu use todas as metáforas eu não sou capaz de descrever a dor que eu sinto, ela me consome, ela aumenta, ela não sangra, mas acredite em mim, eu preferiria se sangrasse, eu preferiria que essa dor fosse apenas a perda de um ente querido, mas eu confesso que ela é maior, as pessoas me dizem “procure uma solução” mas como eu posso resolver uma dor que nem eu mesmo sei de onde veio, e é nesse momento em que a depressão transforma a morte em algo poético, a depressão faz com que o “e fim” se transforme num “felizes para sempre”, mas eu aprendi que o para sempre dói muito, meus amigos, vocês são os únicos “era uma vez” e “para sempre” que eu ainda não desistir e por favor me desculpe se eu não consigo perceber o amor de vocês as vezes, eu juro que tento, mas a depressão não me permite, meus amigos, vocês são a única lareira que eu pude encontrar nesse castelo de gelo, eu juro que tento, eu tento tocar o fogo, mas a depressão me empurra para o lado contrário, eu juro que tento sentir o calor, mas essa dor dentro de mim é tudo que eu consigo sentir, eu grito por ajuda, por socorro, mas porquê sinto que ninguém pode me ouvir, e a depressão mais uma vez me questiona, se na verdade ninguém quer me ouvir, tudo que eu quero nesse momento é poder tocar a lareira pois eu sinto muito frio, todas as noites a depressão me mantem acordado olhando para as estrelas do céu, a depressão faz eu me lembrar que mamãe me dizia que cada uma das pequenas estrelas são pessoas que já se foram, mamãe a depressão faz com que eu queira me tornar uma estrela.
submitted by Ofeu to desabafos [link] [comments]


2019.12.21 03:23 jvcscasio Ariadne, a cidade da rainha dragão

Essa é mais uma cidade do meu mundo homebrew de Parabellum. Espero que vocês consigam tirar ideias interessantes daqui.

Ariadne

Visão

Uma formação rochosa em forma de taça se eleva sobre um pequeno planalto rodeado de várias colinas cobertas de casas negras. Essas casas feitas de lama e ossos de wyvern são obscurecidas pela longa sombra projetada pela principal formação rochosa. Uma pequena escada liga as colinas a um pequeno platô e uma rampa leva ao topo da formação. A sombra faz com que a cidade abaixo fique em constante escuridão, então as pessoas usam o feitiço Chama Contínua dentro de lanternas azuis e rosas para iluminar as ruas, e a maior parte da cidade é atingida por "chuva", que na realidade é a água da parte superior caindo na cidade.

História

A rainha do dragão, Hwang-geum Tongchija, nasceu no topo dessa estranha formação rochosa no início de Parabellum. Ela é um dos primeiros seres a existir. Para acabar com sua solidão, ela criou cinco dragões metálicos para manter sua companhia e, quando viram a necessidade de acumular riqueza, decidiram criar criaturas para trabalhar para eles, Hwang-geum criou os kobolds, enquanto os outros dragões metálicos criaram os dragões.
Corrupção
O envenenamento por chumbo da rainha dragão está criando um campo mágico que chega longe da cidade e está mudando a natureza dracônica. Dragonborns que sentem culpa pelos erros que cometeram e dragonbrons com alinhamentos malignos estão começando a se tornar corruptos e a perder suas escalas metálicas por cromáticas. Há 25% de chance de que, ao entrar na cidade, um dragão cromático apareça. Role um d6 para decidir a cor do dragão: 1 - Preto, 2 - Azul, 3 - Verde, 4 - Vermelho, 5 - Branco, 6 - Sombra. Escolha uma "idade" para o dragão recém-nascido de acordo com o nível do seu grupo.
Sociedade
Ariadne é uma cidade de três níveis e governada por dragões metálicos, pois os dragões cromáticos ainda estão por vir à vida. A rainha do dragão, Hwang-geum Tongchija, governa junto com um conselho, cujos membros juntos têm o mesmo poder que ela. Os dragões vivem em um platô acima da cidade dracônica, alheios à maioria das transgressões entre sua criação, os draconatos.
Os dragonborns vivem no nível mais baixo da cidade, construindo casas sobre as colinas abaixo do platô, onde as casas mais altas são de propriedade dos cidadãos mais ricos e poderosos. Eles têm que pagar tributos aos dragões na forma de tesouros que compram, roubam ou conquistam. Alguns draconatos se tornaram proficientes em fazer jóias para esses fins. Os draconatos nunca encontram seus senhores, em vez disso, o tesouro é coletado e entregue a um grupo especial de draconianos que vivem nos castelos que bloqueiam a entrada do platô. A maioria dos dragonborns fala apenas dracônico, e aqueles que falam em comum costumam ter um ensino superior. A maioria das tábuas mágicas são escritas em comum e estão fora do alcance da maioria das pessoas comuns.
Terrasys
Terrasys (Terraforming systen) é um satélite que orbita Parabellum, pairando acima de Ariadne por volta das 16h. Os kobolds reaproveitaram a tecnologia para escanear a superfície em busca de criminosos procurados.
O sistema foi originalmente criado por seres humanos como um meio de encontrar fontes de carbono e transformá-las em gás com um feixe poderoso. No entanto, os kobolds inventivos encontraram esse sistema em Ariadne e assumiram o controle do raio, mirando em seus inimigos. Quem tem controle sobre o terminal no terceiro nível pode fazer um teste de inteligência CD 22 para comandar o satélite para atacar um ponto específico do mundo (desde que o satélite esteja sobre aquele local). O feixe causa 55 (10d10) de dano de fogo e 21 (6d6) de força.
Kobolds
Os kobolds no terceiro nível descobriram dados antigos sobre Tiamat e se tornaram cultistas da rainha do dragão diabólica. O plano deles é envenenar a rainha Hwang-geum, para que ela enlouqueça e depois prossiga com um ritual de sacrifício para transformá-la no avatar de Tiamat. O ritual inclui envenenamento por chumbo de um dragão de ouro até que ele enlouqueça e, em seguida, faça-o devorar cinco dragões metálicos, depois cantar uma invocação para Tiamat enquanto o dragão de ouro banha-se em sangue de dragão.
Sanjeog
Sanjeog é um grupo de criminosos que roubam tesouros dos viajantes e os usam para pagar os impostos e viver melhor do que em comparação com seus compatriotas que trabalham duro. Seu esconderijo é uma série de túneis sob a maior colina, com a única entrada secreta dentro de sua padaria, chamada Miànbao, de propriedade do mestre padeiro Miànbao Ji. O líder deles é Lupi An-ui, um veterano half-dragon azul que viaja com uma varinha de bolas de fogo pronta para disparar. Ele tem um acordo com o kobold chamado Fangpi, de quem compra itens mágicos em troca de parte do saque.
Yi Jí Zhànshì
Os Zhànshì são um grupo revolucionário que planeja derrubar os kobolds, seu plano atual é tentar contrabandear alguém para dentro do conselho no terceiro andar com histórias de como as pessoas estão vivendo mal, na esperança de que o conselho aprenda sobre suas vidas duras e decida mudar. O líder deles, Gemìng Hónsè, é um veterano nascido do dragão de ouro e acredita corretamente que os kobolds estão filtrando as informações que o conselho recebe para impedir que alterem a estrutura social que mantém os kobolds no poder. No entanto, ele está preocupado que algumas de suas escamas douradas estejam caindo e sendo substituídas por escamas vermelhas, a razão desconhecida por trás disso é que Gemìng está sendo corrompido pela culpa de matar uma criança durante um ataque rebelde a uma caravana kobold.

Primeiro nível - Diyiji

O primeiro nível, chamado Diyiji, é composto por várias colinas de diferentes tamanhos e centenas de casas, feitas com ossos de grandes animais e lama negra seca e colocadas sobre essas colinas de maneira desorganizada. A sobra da comida que os dragões comem é jogada nos níveis mais baixos, deixando a cidade com o aspecto de um aterro sanitário.
Os jogadores podem conhecer algumas personalidades notáveis ​​deste nível, como:
Gemìng Hóngsè, o líder dos revolucionários Zhànshì, passando seu tempo livre na biblioteca lendo tabuletas de guerra.
Miànbao Ji, o padeiro mestre da cidade, responsável por alimentar as centenas de habitantes da cidade, com pão muito abaixo do preço normal (graças ao patrocínio do grupo criminoso Sanjeog).
Nosugja Namja, um plebeu sem teto commoner com 1 hp que enlouqueceu depois de beber água venenosa de uma fonte na floresta de cerberus, ele sempre pede dinheiro e, se receber alguma coisa, joga o dinheiro na pessoa dizendo que não vai aceitar desrespeito dos outros.
Agmaui Yeoja é um guarda da cidade que passa seu tempo livre no DRAG no pub da cidade. Ele é um espião secreto dos revolucionários Zhànshì.
Ming, um commoner dragonborn de cobre que deseja fugir da cidade e viver uma vida de crime, mas não pôde se juntar ao Sanjeog por sua falta de discrição e incapacidade de mentir.
Locais no primeiro nível:
A A.G. é uma enorme fábrica onde 96% das dragas trabalham, recebendo 1% das jóias produzidas por elas como pagamento (apenas o suficiente para cobrir os impostos exigidos pelos kobolds). Uma gigante senzala com mesas compridas, onde milhares de pedras preciosas e barras de ouro são derretidas com sopro de dragão, batidas e moldadas em jóias pelos trabalhadores mal pagos. Jaebeol é o dono do lugar, dragonborn branco, mas ele não é encontrado em nenhum lugar, pois na maioria das vezes ele está viajando pelo mundo com o dinheiro que ganha.
O albergue Hoseutel é o único local disponível para os viajantes dormirem e está cheio dos clientes estranhos. Cada quarto custa 1 peça de ouro por dia, por pessoa e tem o mínimo necessário para ser considerado um albergue. Os alimentos podem ser pedidos separadamente e sempre são servidos frios e encharcados. Entre as pessoas que ficam aqui estão um druida anão chamado Qazam de Apollinaris que vende todas as poções incomuns no DMG, um mago githyanki chamado Inigida procurando o book of vile darkness que ele acredita ter caído neste mundo, e um halfling plebeu chamado Viśrānti viajando ao redor do mundo.
A padaria Miànbao é o esconderijo secreto do grupo criminoso Sanjeog, que rouba dinheiro dos viajantes draconatos e estrangeiros para obter itens mágicos, entre outras coisas, dos kobolds no terceiro nível. Acessar o esconderijo exige que um nascido do dragão diga a senha para Miànbao Ji, que é "pão sem ovo". Os personagens que passam algum tempo na padaria terão vislumbres de alguns membros entrando nos fundos da loja dizendo coisas como "Eu vim pelo pão sem ovo" e "Posso comprar um pão sem ovo, chefe?"
O pub Nun-ui Yong é um pub degradado feito com o que parece ser ossos de dragão e madeira escura. Os buracos no teto fazem com que a água da chuva caia sobre os clientes enquanto eles bebem cerveja e sakê doce. Sendo o único pub de verdade na cidade, a maioria das pessoas não se importa com a qualidade da comida ou com as condições do local, desde que obtenham o que pediram.
A delegacia é onde menores criminosos são mantidos antes de serem julgados. Gyeongchal é o chefe corrupto da polícia, um draconato branco prateado, com um belt of dwarvenkind que ele recentemente recebeu de Sanjeog e gloves of snaring missiles que lhe permitem reduzir ataques de armas à distância em 1d10 + seu modificador de destreza. Se os personagens são pegos por algum crime, como roubo ou assassinato, eles passam 1d4 + 2 horas esperando por um julgamento, onde Gyeongchal decide que eles são culpados e colocam seus nomes para extermínio por Terrasys, pois ele realmente não se importa o suficiente para manter criminosos trancados aumentando seu trabalho. É mais fácil envia-los para serem alvejados pela luz mágica nos céus.
As escadas do segundo nível são longas e grandes, feitas de ossos e lama que levam as pessoas ao segundo nível, um platô de 100 pés. acima da colina mais alta.
Silheomsil é um laboratório escondido na base do platô, veja mais abaixo.
Taiteuhan Maejang é o mercado da cidade, centenas de dragonborn passam o dia lotando as quatro ruas que compõem o que é apelidado de mercado de terra. Dezenas de vendedores ambulantes colocam seus itens sobre mesas de madeira e osso, gritando um com o outro e chamando os clientes a experimentarem frutas ou carne. As pessoas vendem e usam drogas abertamente nessas ruas e não é incomum ver alguém desmaiado sendo assaltado. Os membros da Sanjeog ganham dinheiro nesse mercado vendendo itens mágicos incomuns e raros que não desejam mais.
Missões no primeiro nível:
Picada de mosquito
Os agentes de Sanjeog descobriram que um item mágico chamado “Mordida de Mosquito” (adaga que cura 1d4 com 3 cargas diárias) está na posse de um viajante gith noble que está passando pela cidade procurando comprar drogas. O githzerai, que leva o nome de Nullak Azarzig, é atacado quando os PCs passam pelo mercado. Ele lhes dá 400gp se eles o protegerem e salvarem sua adaga. Se eles não fizerem nada, no dia seguinte a adaga estará disponível para compra no mercado. O grupo de atacantes consiste em três bandits draconatos de cobre e um bandit captain dragonborn.
Criança perdida
Eomeoni é uma plebéia draconata de cobre, cujo filho fugiu para o segundo nível. Ela está disposta a dividir com três dias em rações (toda a comida que ela possui) em troca de seu filho. A criança, Adeul, pode ser encontrada no segundo nível dentro de 1d4 horas e está disposta a voltar com os personagens, se eles forem amigáveis.
O oblex
Sasil é um draconato de ouro noble que vive em uma das colinas mais altas da cidade. Ela está preocupada com sua criada draconata de cobre, que está agindo de forma estranha. Ela pergunta se alguém pode falar com a empregada e investigar. A empregada, chamada Gajeongbu, está angustiada depois de descobrir o marido de seu chefe, um draconato de prata chamado Geojis foi substituído por um Oblex adulto, embora a empregada não saiba o que é um oblex, ela sabe que o draconato cheira e fala de maneira estranha. Ao ser descoberto, o oblex mata e assume o lugar de Sasil, tenta demitir os heróis além de consumir a criada.
Porta estranha
Um draconato desabrigado, cujo nome há muito esquecido, diz que viu uma porta na base da pedra do terceiro nível. Se os personagens investigarem com ele, encontrarão a porta do laboratório Silheomsil.
Ajude os Stormcloaks
Banlangun é um draconato de prata do grupo Zhànshì que está tentando levar uma caixa de alimentos altamente calóricos de Apollinaris para Ariadne, para alimentar os pobres em sua região de controle, mas a caravana foi atacada por um wyvern a caminho e perdeu a comida. Ele paga aos personagens que ajudam com qualquer arma +1.
Ajude a padaria
A padaria Miànbao está contratando pessoas suspeitas para espancar dois jovens bandidos que não pagaram pelo "pão". Os jovens drogados são dois draconatos de cobre chamados Malih e Wana e podem ser encontrados usando drogas em uma casa abandonada.

Segundo nível - Dierji

O segundo nível, chamado Dierji, é o local reservado para os dragões menores que ainda são considerados superiores aos draconatos. É uma milha de largura e duas milhas de comprimento. Para atingir esse nível, você precisa subir as escadas do segundo nível ou voar 100 pés da colina mais alta da cidade. Das escadas, os personagens encontram uma estrada dourada que leva aos portões do terceiro nível, enquanto nesta estrada, os personagens não são atacados por nenhuma criatura do segundo andar.
Aqui drakes, wyverns e pseudodragon vivem em uma floresta de árvores esparsas e chão rochoso, com a maioria dos alimentos sendo os restos dos banquetes dos dragões no nível mais alto.
O grande monte coberto de plantas e musgo visto no meio deste andar é uma tartaruga-dragão criada tristemente por Partum Lapis longe da água. Incapaz de deixar o platô, a tartaruga-dragão descansa, aguardando algumas mudanças e permite que ela voe para longe ou se teleporte para o oceano, o nome da tartaruga-dragão é Olaedoen San. Para cada hora que se move por esse nível, role para a tabela de encontros aleatórios:
d100 Encontro : ---: : ------------ 1 - 25 Nada. 26 - 40 1d4 + 2 guarda azul drakes. 41 - 55 1d4 - 1 wyverns (min. 1). 56 - 70 1d6 pseudodragões. 71 - 99 1d4 preto guarda drakes liderar por 1 guarda vermelho drake. 100 Olaedoen San
Para alcançar o terceiro nível, os personagens devem andar pela estrada dourada, uma caminhada de uma hora feita pelos kobolds para esgotar quem tentar alcançá-los. Deixar a trilha reduz a viagem para 20 minutos, mas as câmeras na floresta registram os rostos dos personagens e enviam para a Terrasys. Observar a câmera antes de ser gravada exige um teste de Sabedoria (percepção) CD 18.

Terceiro nível - Shenji

O terceiro nível, chamado Shenji, é o lar dos verdadeiros dragões metálicos. Elas vivem em êxtase ignorante, recebendo tesouros e comida dos kobolds, que lentamente envenenam a rainha em um monstro maligno ganancioso, para seu ritual. Esse envenenamento faz com que ela às vezes aja como seu equivalente maligno.
O plano kobold
Trinta kobolds moram no terceiro andar, comandados por Lashi, um artífice kobold de pele vermelha com um arco curto +1. O plano deles é fazer com que a rainha do dragão Hwang-geum devore seus subordinados durante um eclipse duplo (quando as duas luas cruzam o sol ao mesmo tempo). Fangpi, um warlock kobold de pele vermelha, com uma capa de banco de montanhas, é o responsável para o ritual e o veneno alimentar, ele nunca sai da sala do trono. Chuwanwei é um inventor kobold de pele azul com um anel de proteção e uma inteligência de 23, que é o único capaz de comandar a Terrasys, usando um computador antigo que ela consertou usando livros encontrados no laboratório.
Os jogadores podem encontrar alguns dragões neste nível:
Huang Tóng é uma dragão de bronze adulta faladora e curiosa, ela rapidamente aprende novos idiomas e gosta de perguntar sobre a cultura local. Ela tem muito medo de ir contra a rainha e voará para longe em caso de briga.
Qīng Tóng é uma dragão de bronze adulta, animada e contente, que gosta de assumir a raça da pessoa com quem está falando. Ela pode ser convencida a vir para o lado dos jogadores, se eles parecerem curiosos e aventureiros.
Long Tóng é uma dragão de cobre adulta sempre cercada por fairy dragons que ela chama de filhos, eles adoram brincar com outros dragões e kobolds. Ela tentará parar qualquer briga que aconteça, até a morte.
Yín Dàshī é uma dragão prateada adulta preguiçosa, que passa a maior parte do tempo dormindo e contemplando sua reflexão sobre as jóias que possui. Ela é leal à rainha do dragão e a defenderá a todo custo.
Jīn Tàiyáng é uma dragão de ouro adulta estudiosa, mas cautelosa, ela finge comer a comida que os kobolds lhe trazem, mas à noite ela caça pássaros para se alimentar. Ela é magra e fraca, mas já suspeita das tramas dos kobolds. Se ela conseguir uma desculpa para deixar o palácio e investigar, ela irá. Ela é a única pessoa que ajudaria os personagens com qualquer coisa que eles precisassem sem precisar convencer o necessário.
Hwang-geum é a rainha do dragão de Ariadne, ela foi envenenada pelos kobolds e seu corpo mostra sinais de corrupção. Em vez de ficar completamente coberta de ouro, Hwang-geum tem uma energia escura fluindo sob suas escamas, o que é visível para quem olha atentamente para seu corpo ou à vista de todos quando olha para seus olhos. Suas escamas de ouro também estão se tornando cromáticas, com cores diferentes crescendo em lugares diferentes. Ela se comporta como um dragão de ouro na maioria das vezes, no entanto, quanto mais tempo uma conversa é, mais impaciente ela se torna e mais violenta.
Hwang-geum é uma dragão de ouro adulto com o seguinte ataque de sopro no lugar do sopro de fogo: ___ > Respiração por plasma (custa 3 ações). Hwang-geum respira uma explosão de plasma quente em um cone de 90 pés. Cada criatura nessa área deve fazer um teste de resistência de Destreza CD 21, recebendo 72 (16d8) de dano de fogo em um teste que falhou, ou metade do dano em um teste de sucesso. Todo objeto de metal em contato com a respiração começa a brilhar em brasa. Qualquer criatura em contato físico com esses objetos recebe 9 (2d8) de dano de fogo. Se uma criatura estiver segurando ou usando os objetos e sofrer o dano, a criatura deve ter sucesso em um teste de resistência à Constituição ou soltar o objeto, se puder. Se não soltar o objeto, ela tem desvantagem nas jogadas de ataque e nos testes de habilidade até o início do seu próximo turno. Se os kobolds conseguem corromper Hwang-geum, ela se torna uma Tiamat Falha.
Locais no terceiro nível:
Os túneis de entrada são uma série de intricados corredores esculpidos e guardados por kobolds para impedir que alguém veja os dragões sem permissão. A movimentação pelos túneis garante encontrar pelo menos uma patrulha de 2d6 kobolds e 1d4 kobold inventores.
A sala do trono é conectada ao laboratório pelo elevador e conectada à parte externa através dos túneis de entrada. Três dragões estão sempre aqui, conversando frivolamente sobre filosofia e vida, às vezes discutindo fervorosamente a ética, o bem e o mal. No entanto, uma vez por mês, Hwang-geum chega ao trono, e todos sentam-se em silêncio enquanto a rainha faz discursos incoerentes sobre traição e conspiração, após o qual ela volta ao seu covil para comer e ter delirantes discursos por si mesma, planejando e descobrindo coisas que não são reais.
Fonte mágica Esta fonte mágica brilha uma luz amarela brilhante sobre os jardins, pois cria 1d4 gramas de ouro a cada hora.
O covil do conselho é um jardim gigantesco onde o conselho mora, cada dragão tem um lugar favorito, Huang dorme sobre uma enorme árvore nas margens do jardim, Qing construiu casas de diferentes raças para viver, e cada dia ela dorme parecendo um diferente Por um lado, Longa vida entre as flores e dorme em um monte perto da floresta, Yín dorme o dia todo no seu tesouro perto de Hwang-geum e Jīn quase nunca dorme, em vez de voar para o primeiro nível e ouvir a conversa nas ruas.
O Great Wyrm Lair é uma antena parabólica que se comunica com a Terrasys, que também serve como o covil de Hwang-geum. O prato tem 1.000 pés de amplitude está cheio de tesouros dos impostos que os draconatos pagam, todo mês seu tesouro aumenta enormemente, mas sua ganância nunca acaba. Um personagem pode acessar o controle direto dos Terrasys na base da antena parabólica com três verificações bem-sucedidas de inteligência DC 20 usadas para compreender e assuma o controle do satélite, cada verificação executa uma ação.
Tesouro: 42.000 peças de ouro, 3.300 peças de platina, uma cota de malha +1, uma espada vorpal, um caixão de criança em ouro puro (7500gp), espada longa dourada com bainha de platina (7500gp), 5000gp em escamas douradas, um trono de cristal feito por elfos de Granicus (5000gp), um mármore brilhante feito de éter puro (4000gp), a cabeça com joias do primeiro gigante nascido neste mundo (4000gp), uma corrente de ouro (2000gp), uma harpa de Granicus (2000gp), um escudo de bronze com um diamante no centro (500gp).

Lab Silheomsil

Entrada
Para entrar pela primeira porta, os caracteres devem passar por uma verificação de Inteligência DC20 (investigação) que permite que eles encontrem um botão oculto ainda funcionando. A porta no final da entrada só abrirá quando todos estiverem do lado de fora. O salão bombeia a sala cheia de ar e abre a segunda porta do vestiário.
O vestiário está cheio de roupas rasgadas e podres, a maioria ainda dentro dos guarda-roupas de metal. Os personagens podem avançar para o segundo andar por escadas, pois o cofre do elevador está vazio nesse andar. Um espectro de uma cientista morta chamada Moriana Bohn percorre este andar, atacando à primeira vista.
Armazenamento
O armazenamento contém dezenas de caixas de madeira cheias de pedras e sujeira que costumavam ser estudadas pelos cientistas deste laboratório.
Um personagem que investiga a sala encontra documentos detalhando estudos sobre a terraformação de um planeta chamado Marte, sobre a quantidade de oxigênio e hidrogênio no solo e as plantas para um poderoso sistema de aquecimento a ser colocado em um satélite. Os personagens podem avançar para o terceiro andar através de escadas, pois o cofre do elevador está vazio nesse andar.
Laboratório
Um único computador está quebrado no chão e as escadas para o quarto nível estão enterradas sob toneladas de pedras. Sobre os papéis de mesa de metal, cheios de cálculos para o satélite, estão sob o corpo de um cientista, que segura uma faixa de intelecto. Interagir com o corpo desperta o fantasma do cientista, que acredita que os personagens estão tentando roubar sua pesquisa. Na vida, seu nome era Edd Murray e ele é tão implacável na morte quanto na vida, quando lançava estagiários no deserto do planeta marciano com apenas um tanque de oxigênio se eles não obtivessem os resultados que ele esperava. Os personagens podem entrar no elevador neste andar e rastejar através de um buraco no teto para alcançar o quarto andar.
Sala de jantar
Comida podre por trezentos anos repousa sobre a mesa central, enquanto um fogão a gás enche a sala com gás explosivo. Qualquer feitiço ou faísca de fogo criado dentro desta sala explode a sala inteira, fazendo com que todos dentro sofram 2d6 de dano de fogo e a sala fique sem ar por três minutos. Duas sombras atacam bons caracteres alinhados assim que chegam à mesa. Os personagens podem avançar para o quinto andar através de escadas, pois o cofre do elevador está vazio nesse andar.
Quartos de dormir
Os corpos de três cientistas estão no chão, ainda em suas camas. Dois deles eram casados, e o marido agora é um Allip depois de um sonho ter vislumbres do futuro, o fim dos seres humanos e o nascimento da magia. Ele tenta colocar na mente do personagem visões de humanos tocando um meteorito e depois se tornando ladrões. Os personagens podem avançar para o sexto andar por escadas, pois o cofre do elevador está vazio nesse andar.
2 quartos
Cinco cientistas voltaram à vida como zumbis irracionais e vagam pelo chão tentando comer qualquer coisa que possam ver. Os personagens podem avançar para o sétimo andar através de escadas, pois o cofre do elevador está vazio nesse andar.
Centro de Controle
Um laptop em funcionamento neste andar é administrado por Ling Yao, um artífice kobold. Um grande datacenter registra tudo, de posições a rostos de criminosos procurados. Ling insere criminosos aqui para permitir que os Terrasys os eliminem.
Ele é acompanhado por sua torre, dez guardas kobold e um veterano kobold. O datacenter tem um AC de 20 e 200 pontos de vida. Uma vez destruído, o Terrasys é incapaz de atingir qualquer pessoa específica. Os personagens podem usar e modificar dados no computador com três testes de inteligência bem-sucedidos do DC 20. Os personagens podem alcançar o nível da sala do conselho através do poço do elevador.
submitted by jvcscasio to rpg_brasil [link] [comments]


2019.09.21 20:03 O-Pensador Agorismo NÃO é Anarco-Capitalismo‬

O objetivo deste ensaio é triplo. Primeiro, identificarei os conceitos-chave que descrevem a filosofia do agorismo e a estratégia da Contra-Economia, conforme descrito por Samuel E. Konkin III em “O Manifesto Do Novo Libertário” e “Uma Cartilha Agorista.” Segundo, ilustrarei como os radicais de todos os tipos podem utilizar a estratégia da contra-economia, conforme descrito por Konkin, sem necessariamente endossar sua filosofia do agorismo e seus princípios específicos. Finalmente, descreverei o que diferencia o agorismo do anarcocapitalismo e de outras escolas de pensamento. Mostrarei que, embora a estratégia contra-econômica possa ser utilizada por quase qualquer indivíduo, o agorismo em si não é simplesmente uma tensão ou subconjunto do anarcocapitalismo, mas uma filosofia política única.‬
‪Antes de me aprofundar, permita-me explicar brevemente a inspiração para o título deste ensaio e o próprio ensaio. Como demonstrarei, a mensagem agorista e a estratégia contra-econômica podem ser úteis para qualquer indivíduo que se encontre em busca de um mundo mais livre, justo e ético. No entanto, a razão pela qual o título se concentra no anarcocapitalismo é porque notei uma tendência nos círculos de mídia social “libertários de direita” / AnCap, em que os indivíduos afirmam apoiar as idéias de Konkin e seu agorismo, mas também expressam um desagrado pelo libertarianismo de esquerda . Meu objetivo é ajudar os leitores com esse ponto de vista a entender o papel essencial que Konkin e seu "Novo Libertarianismo", ou Agorismo, desempenharam no desenvolvimento do movimento Esquerda-Libertário Americano.‬
O Agorismo Como Libertarianismo Consistente
‪Vamos começar entendendo a visão de Konkin. Konkin pediu a criação de um movimento revolucionário liderado por trabalhadores e empresários que cooperam voluntariamente em trocas econômicas que ocorrem fora do alcance do Estado. Ele chamou esse movimento de Nova Aliança Libertária. Konkin baseou suas idéias revolucionárias em uma base do libertarianismo na linha de Rothbard e dos anarquistas individualistas americanos antes dele. No Novo Manifesto Libertário, Konkin escreve:‬
‪“Onde o Estado divide e vence sua oposição, o libertarianismo une e liberta. Onde o Estado fica alto, o libertarianismo esclarece; onde o Estado oculta, o libertarianismo descobre; onde o Estado perdoa, o libertarianismo acusa.‬
‪O libertarianismo elabora toda uma filosofia a partir de uma premissa simples: a violência iniciática ou sua ameaça (coerção) é errada (imoral, mal, ruim, supremamente impraticável etc.) e é proibida; nada mais é.‬
‪O libertarianismo, conforme desenvolvido até esse ponto, descobriu o problema e definiu a solução: o Estado versus o Mercado. O mercado é a soma de todas as ações humanas voluntárias. Se alguém age de maneira não coercitiva, faz parte do mercado. Assim, a Economia se tornou parte do libertarianismo. ”‬
‪A partir disso, Konkin desenvolveu seus pontos de vista sobre a propriedade:‬
‪“O libertarianismo investigou a natureza do homem para explicar seus direitos decorrentes da não coerção. Imediatamente se seguiu que o homem (mulher, criança, marciano etc.) tinha um direito absoluto a essa vida e a outras propriedades - e nenhuma outra.‬
‪Todo roubo é iniciação à violência, seja o uso da força para retirar propriedades involuntariamente ou para impedir o recebimento de mercadorias ou o retorno do pagamento por mercadorias que foram livremente transferidas por acordo. ‬
‪Konkin se envolveu no crescente movimento libertário no final dos anos sessenta. Nesse ponto, os amantes da liberdade estavam começando a reconhecer o potencial de um movimento nacional de radicais antiestatistas e pró-mercado. No meio dessa oportunidade, Konkin viu ativistas libertários sendo atraídos para esquemas de "obter liberdade rapidamente", como a política eleitoral. Em um contra-ataque aos inimigos da liberdade, Konkin esboçou uma nova filosofia que ele acreditava ser simplesmente o resultado da aplicação dos princípios libertários aos seus fins mais consistentes e lógicos.‬
‪“ O princípio básico que leva um libertário do estatismo à sua sociedade livre é o mesmo que os fundadores do libertarianismo usaram para descobrir a própria teoria. Esse princípio é consistência. Assim, a aplicação consistente da teoria do libertarianismo a toda ação que o libertário individual toma cria a sociedade libertária.‬
‪Muitos pensadores expressaram a necessidade de consistência entre meios e fins e nem todos eram libertários. Ironicamente, muitos estatísticos alegam inconsistência entre fins louváveis ​​e meios desprezíveis; todavia, quando seus verdadeiros fins de maior poder e opressão foram compreendidos, seus meios são considerados bastante consistentes. Faz parte da mística estatista confundir a necessidade de consistência entre fins e meios; é, portanto, a atividade mais crucial do teórico libertário expor inconsistências. Muitos teóricos o fizeram admiravelmente; mas tentamos e mais falhámos em descrever a combinação consistente de meios e fins do libertarianismo.‬
‪O novo libertarianismo (agorismo) não pode ser desacreditado sem a liberdade ou a realidade (ou ambas) serem desacreditadas, apenas uma formulação incorreta. ”‬
‪Resumidamente, o agorismo pede a criação de uma nova sociedade, competindo diretamente com o Estado, em vez de confiar no voto, na política eleitoral ou na violência insurrecional. Konkin cunhou o termo agorismo após a palavra grega agora para "mercado aberto". Para alcançar essa ágora, Konkin pediu aos empreendedores que fizessem uso dos chamados "mercados preto e cinza". " Em resumo, o 'mercado negro' é algo não violento proibido pelo Estado e continuado de qualquer maneira", escreveu Konkin . “O 'mercado cinza' é usado aqui para significar negociar bens e serviços, não eles próprios ilegais, mas obtidos ou distribuídos de maneira legislada pelo Estado.”‬
‪Para Konkin, uma sociedade verdadeiramente libertária seria agorista - “ libertária na teoria e livre mercado na prática”. Essa sociedade incluiria o respeito à propriedade justamente adquirida, a cooperação voluntária entre empresários e produtores e a substituição de todos os "serviços" do Estado pela concorrência privada entre indivíduos e coletivos.‬
‪“A análise libertariana nos mostra que o Estado é responsável por qualquer dano a inocentes, que alega que o 'egoísta sonegador' tenha incorrido; e os 'serviços' que o Estado 'fornece' são ilusórios. Mas, mesmo assim, deve haver mais do que uma resistência solitária inteligentemente escondida ou 'desistência'? Se um partido político ou exército revolucionário é inapropriado e autodestrutivo para objetivos libertários, que ação coletiva funciona? A resposta é agorismo.”‬
‪O objetivo do agorismo é substituir todos os relacionamentos coercitivos e não consensuais por relacionamentos voluntários, baseados em benefícios mútuos via empreendedorismo nos mercados preto e cinza. Esse embaralhamento de " grandes coleções da humanidade, da sociedade estatista à ágora" foi " verdadeira atividade revolucionária". Segundo Konkin, os agoristas não devem lançar "ataques" ao Estado. " Somos estritamente defensivos", escreveu Konkin em An Agorist Primer , seu seguimento ao The New Libertarian Manifest.‬
‪Além disso, Konkin descreveu um agorista como " aquele que vive contra-economicamente sem culpa por suas ações heróicas do dia-a-dia, com a velha moral libertária de nunca violar a pessoa ou a propriedade de outra pessoa" . A filosofia enfatiza a importância de agir. “ Um agorista é aquele que vive agorismo. Não aceite falsificações. Há agoristas “tentando fazer jus a isso”. É claro que existem mentirosos que alegam ser qualquer coisa. Como Yoda disse sucintamente: Ou não. Não há tentativa.' Isso é agorismo.‬
Contra-economia como definida por Konkin
‪Se o agorismo é a principal contribuição filosófica de Konkin, seu reconhecimento da Contraeconomia como caminho para o agorismo é igualmente importante. O termo Contraeconomia pode ser atribuído ao tempo e período em que Konkin desenvolveu suas idéias. " Contra-Cultura era uma frase popular, a única vitória duradoura dos" hippies ". A Contra-Economia implicava que a" revolução não havia terminado "e que o Sistema Econômico precisava passar pela mesma transformação que a Cultura, ” Konkin escreveu .‬
‪Conforme definido acima, os mercados de preto e cinza fazem parte da Contraeconomia, que Konkin definiu como “Toda ação humana (não coercitiva) cometida em desafio ao Estado”. De acordo com os princípios libertários de não agressão, Konkin rotula a violência inicial na forma de roubo ou assassinato como o "mercado vermelho", o único tipo de atividade que é evitada em sua contra-economia.‬
‪Konkin explica que, à medida que as atividades repressivas e opressivas do Estado aumentarem, o povo começará a procurar alternativas econômicas à regulamentação e interferência do Estado. Isso oferece aos Agoristas de visão de futuro uma oportunidade de lançar e apoiar atividades e negócios contra-econômicos. Konkin acreditava que, uma vez que a contra-economia tivesse progredido ao ponto de os empresários fornecerem ao público serviços de proteção e segurança que poderiam rivalizar ou se defender contra o Estado, a revolução agorista estaria completa.‬
‪“ Devagar, mas com firmeza, avançaremos para a sociedade livre, transformando mais contra-economistas em libertarianismo e mais libertários em contra-economia, finalmente integrando teoria e prática. A contraeconomia crescerá e se espalhará para o próximo passo que vimos em nossa viagem para trás, com uma sub-sociedade agorista cada vez maior incorporada na sociedade estatista. Alguns agoristas podem até se condensar em distritos e guetos discerníveis e predominar em ilhas ou colônias espaciais. Neste ponto, a questão da proteção e defesa se tornará importante. ”‬
‪“Eventualmente, é claro, após um período de mudanças cada vez mais rápidas desse tipo, o“ subterrâneo ”entrará e substituirá o“ solo ”; o estado murchará na irrelevância, seus contribuintes, soldados e agentes da lei o abandonaram para o mercado; e ficaremos com uma sociedade livre e agorista. ”‬
A contra-economia como ferramenta para todos os radicais
‪Konkin imaginou um mundo de comunidades descentralizadas, ponto a ponto, conscientemente e voluntariamente, fazendo negócios na contra-economia como um meio para acabar com o Estado e libertar o povo. A gama de (e oportunidades para) atividade contraeconômica aumentou apenas com a expansão da Internet e tecnologia descentralizada, como cripto-moedas. Konkin discutiu várias formas de atividade contraeconômica, incluindo o uso de dinheiro para evitar a detecção, a troca, o investimento em metais preciosos, o emprego indocumentado, o uso de drogas e medicamentos ilícitos e ilegais, a prostituição, o comércio ilegal, o jogo, o comércio de armas ou simplesmente a prestação de um serviço. enquanto aceita o pagamento em moedas não estatistas.‬
‪As possibilidades são essencialmente infinitas e devem ser bem-vindas por todos os radicais que buscam alternativas ao Statism e ao status quo. Qualquer indivíduo ou coletivo que reconheça o monopólio econômico mantido pelo uso contínuo da Nota do Federal Reserve (dólar) deve apoiar medidas contraeconômicas e investir na criação de alternativas. Se sua idéia de liberdade econômica é de propriedade coletiva ou de natureza individualista, o agorismo oferece uma oportunidade para comunidades, bancos mútuos, lojas de tempo e mercados baseados na contra-economia. Isso permitirá que todos os empreendimentos contra-econômicos não estatistas cooperem e competam na busca de uma sociedade mais livre. Como Nick Ford observou, há uma oportunidade para uma aliança agorista-sindicalista e, em nosso primeiro livro, John Vibes e eu propomos a criação de uma aliança Agorista-Mutualista. Muito simplesmente, se você deseja abolir o Estado e a classe privilegiada que se beneficia com a sua existência, crie alternativas ao paradigma atual e supere as instituições arcaicas de ontem.‬
‪Devo notar que Konkin era crítico do comunismo. Em " Contra-economia: nossos meios", ele escreve, " a comuna anti-mercado desafia a única lei executável - a lei da natureza. A estrutura organizacional básica da sociedade (acima da família) não é a comuna (ou tribo ou tribo extendida ou Estado), mas a ágora. Não importa quantos desejem o comunismo trabalhar e se dedicar a ele, ele fracassará. Eles podem conter o agorismo indefinidamente por um grande esforço, mas quando deixam de lado, o 'fluxo' ou 'Mão Invisível' ou 'marés da história' ou 'incentivo ao lucro' ou 'fazendo o que vem naturalmente' ou 'espontaneidade' levarão a sociedade inexoravelmente mais perto da ágora pura. ”(3)‬
‪No entanto, não acho que sua percepção pessoal do comunismo deva desencorajar os indivíduos a investir na contra-economia. É provável que haja uma ampla gama de atividades, opiniões e soluções. Num mercado verdadeiramente livre, cada uma dessas persuasões poderia coexistir.‬
Entendendo a visão de agorismo de Konkin
‪É importante distinguir a atividade contra-econômica da atividade agorista. Embora se possa ser traficante de drogas, prostituta, traficante de armas, barbeiro sem licença ou outro empresário do mercado cinza / preto, não se segue que também seja um contra-economista ou agorista praticante consciente. Geralmente, a atividade econômica nos mercados de preto e cinza é sempre contra-econômica, porque é isenta de impostos e retira o Estado da situação. Mas, sem a consciência da filosofia agorista e o esforço consciente para remover o poder econômico do Estado, alguém está simplesmente violando a lei do Estado. Embora desrespeitar as leis do estado contra crimes sem vítimas seja um ato louvável, ele não faz de um agorista. Em resumo, você pode apoiar e participar de empreendimentos contra-econômicos sem abraçar de todo o coração as idéias de Konkin,‬
Então, o que diferencia o agorismo do anarcocapitalismo e outras formas de anarquismo de mercado?
‪Como observado anteriormente, Konkin foi uma parte vital do estabelecimento do movimento esquerda-libertário das décadas de 1960, 70 e 80. O Movimento da Esquerda Libertária nasceu das experiências de Konkin ao trabalhar com Murray Rothbard e Karl Hess na Esquerda e Direita , uma revista dedicada a reunir a “direita” antiestatista e a Nova Esquerda do final dos anos 60. Essas experiências influenciaram muito o pensamento e o desenvolvimento do agorismo por Konkin. Quando perguntado por que ele escolheu se identificar como uma "esquerda libertária" ou libertária de esquerda, Konkin disse que estava "à esquerda" de Rothbard, por isso tornou-se natural referir-se ao seu movimento como libertário de esquerda. Ele também notou seu interesse em continuar a " aliança de Rothbard 1960-69 com a Nova Esquerda anti-armas nucleares e depois anti-guerra" .‬
‪“Entre figuras importantes no desenvolvimento do movimento libertário moderno, Konkin se destaca em sua insistência de que o libertarianismo corretamente concebido pertence à ala esquerda radical do espectro político”, escreve David S. D'Amato para Libertarianism.org “ His Movement of a esquerda libertária, fundada como uma coalizão de livre mercado esquerdista, resistiu à associação do libertarianismo com o conservadorismo. Posicionando-o ainda mais à esquerda, o agorismo abraça a noção de guerra de classes e implica uma análise distintamente libertária da luta de classes e estratificação. ”‬
‪Quando perguntado sobre as principais diferenças entre libertário de esquerda / agorismo e anarcocapitalismo, Konkin disse: “ Em teoria, aqueles que se autodenominam anarcocapitalistas não diferem drasticamente dos agoristas; ambos afirmam querer anarquia (apatridia, e concordamos bastante com a definição de Estado como um monopólio da coerção legitimada, emprestada de Rand e reforçada por Rothbard). Mas, no momento em que aplicamos a ideologia ao mundo real (como dizem os marxóides, "capitalismo realmente existente"), divergimos imediatamente em vários pontos ".‬
‪Nas palavras de Konkin, " os" anarcocapitalistas "tendem a fundir o Inovador (Empreendedor) e o Capitalista, da mesma forma que os marxóides e os coletivistas mais cruéis. Os agoristas são rigorosos rothbardianos e, eu diria, neste caso, ainda mais rothbardianos que Rothbard, que ainda possuíam algumas das antigas confusões em seu pensamento. ” Konkin também disse que os AnCaps de sua época tinham uma tendência a“ acreditar no envolvimento com partidos políticos existentes ” e usando o“ complexo de defesa dos EUA para combater o comunismo ”, o terrorismo ou qualquer outra causa equivocada. Embora se possa dizer que a AnCaps que apóia o Departamento de Defesa é minoria em 2016, o argumento ilustra que desde o início do movimento agorista, houve um esforço para segregar o elemento AnCap.‬
‪Konkin acreditava que " muito mais que o estatismo precisaria ser eliminado da consciência individual" para que uma sociedade verdadeiramente livre existisse. Com base nessa afirmação (e em seus escritos em outros lugares), parece claro que Konkin adotou um libertarianismo "grosso" que luta pela libertação coletiva por meios individuais e não termina sua análise no Statism. De fato, Konkin escreveu especificamente sobre a opressão contra as mulheres e a comunidade gay. ‬
‪Outra diferença entre o libertarianismo Konkiano e o dos “libertários da direita” é a questão da classe. Embora o direito normalmente evite análises baseadas em classes, Konkin ajudou a desenvolver o que ficou conhecido como "A teoria agorista das classes". A teoria de classes agorista refuta a teoria comunista de classes de Marx e reconhece as diferenças entre empresários não estatistas e capitalistas estatistas.‬
‪Konkin elaborou essas idéias em uma entrevista e em discussões no grupo Yahoo de esquerda e libertária . Mais uma vez ele destacou a importância de separar os “ não-inovadores e capitalistas pró-estatistas” dos “ capitalistas não-estatal (no sentido de detentores de capital, não necessariamente ideologicamente conscientes)” , chamando-os de “ neutra robô-como não -inovadores ” . Quando se tratava da classe trabalhadora, Konkin argumentou que o Estado sufocava a inovação e o empreendedorismo, o que mantinha a classe trabalhadora ocupada fazendo um trabalho ocupado sem sentido. Ele chamou trabalhadores e camponeses de “ uma relíquia embaraçosa de uma era anterior, na melhor das hipóteses, e aguarda com expectativa o dia em que eles desaparecerão por falta de demanda do mercado”.‬
‪Além disso, Konkin fez comentários favoráveis ​​em relação aos movimentos dos trabalhadores. No Yahoo-Grupo Libertário de Esquerda, Konkin disse que aprovou a tentativa dos Trabalhadores Industriais do Mundo (IWW) de recrutar libertários. Konkin disse que queria “ lembrar os antigos membros da MLL e informar aos novatos que, como mercado livre e pró-empresário, a MLL apóia sindicatos anarco-sindicalistas genuínos que sempre se recusam a colaborar com o Estado. (Na América do Norte, esse é o IWW e nada mais que eu saiba.) ” Ele observou que o IWW se separou do Partido Socialista dos EUA pelas mesmas razões que seu MLL se separou do Partido Libertário dos EUA -“ uma rejeição do parlamentarismo pela ação direta ” .‬
‪Konkin também discordou em confundir os termos "livre empresa" e "capitalismo" com o "mercado livre". " Capitalismo significa a ideologia (ism) do capital ou capitalistas" , escreveu ele. “ Antes de Marx aparecer, o puro comerciante Thomas Hodgskin já usava o termo capitalismo como pejorativo; os capitalistas estavam tentando usar a coerção - o Estado - para restringir o mercado. O capitalismo, então, não descreve um mercado livre, mas uma forma de estatismo, como o comunismo. A livre empresa só pode existir em um mercado livre. ”‬
‪Konkin se referiu a seu movimento como "revolucionário" e "radical", termos que geralmente são usados ​​para descrever movimentos de esquerda e rejeitados por "libertários de direita" e conservadores. O uso da terminologia da Nova Esquerda não foi um erro. Konkin estava fazendo um esforço consciente para distinguir sua marca de “anarquismo revolucionário de mercado” do crescente movimento anarcocapitalista.‬
‪Em conclusão, Samuel E. Konkin III criou com sucesso uma extensão da filosofia libertária, utilizando táticas consistentes da teoria à aplicação (Contra-Economia), enquanto fornecia um caminho para uma sociedade mais livre. Ele fez esforços para reconhecer as diferenças entre seu movimento e outros, mas ao mesmo tempo reconhecendo que o ataque contra-econômico pode ser realizado por um amplo espectro de antiestatistas. Se conseguirmos criar com êxito uma Aliança Panarquista de Contra-Economistas, ainda podemos construir um mercado verdadeiramente livre que permita experimentação e comércio gratuitos entre diferentes escolas de pensamento. Nesse espaço, veremos o florescimento do movimento agorista consciente.‬
‪Fontes:‬
‪1- Agorismo: Nosso Objetivo, O Manifesto Do Novo Libertário;‬
‪2- Contra-economia: nossos meios, O Manifesto Do Novo Libertário;‬
‪3- Agorismo Aplicado, Uma Cartilha Agorista;‬
‪4- Economia Aplicada, Uma Cartilha Agorista;‬
submitted by O-Pensador to CriptoLibertarios [link] [comments]


2019.09.20 23:31 O-Pensador Agorismo NÃO é AnarcoCapitalismo

O objetivo deste ensaio é triplo. Primeiro, identificarei os conceitos-chave que descrevem a filosofia do agorismo e a estratégia da Contra-Economia, conforme descrito por Samuel E. Konkin III em “O Manifesto Do Novo Libertário” e “Uma Cartilha Agorista.” Segundo, ilustrarei como os radicais de todos os tipos podem utilizar a estratégia da contra-economia, conforme descrito por Konkin, sem necessariamente endossar sua filosofia do agorismo e seus princípios específicos. Finalmente, descreverei o que diferencia o agorismo do anarcocapitalismo e de outras escolas de pensamento. Mostrarei que, embora a estratégia contra-econômica possa ser utilizada por quase qualquer indivíduo, o agorismo em si não é simplesmente uma tensão ou subconjunto do anarcocapitalismo, mas uma filosofia política única.‬
‪Antes de me aprofundar, permita-me explicar brevemente a inspiração para o título deste ensaio e o próprio ensaio. Como demonstrarei, a mensagem agorista e a estratégia contra-econômica podem ser úteis para qualquer indivíduo que se encontre em busca de um mundo mais livre, justo e ético. No entanto, a razão pela qual o título se concentra no anarcocapitalismo é porque notei uma tendência nos círculos de mídia social “libertários de direita” / AnCap, em que os indivíduos afirmam apoiar as idéias de Konkin e seu agorismo, mas também expressam um desagrado pelo libertarianismo de esquerda . Meu objetivo é ajudar os leitores com esse ponto de vista a entender o papel essencial que Konkin e seu "Novo Libertarianismo", ou Agorismo, desempenharam no desenvolvimento do movimento Esquerda-Libertário Americano.‬
O Agorismo Como Libertarianismo Consistente
‪Vamos começar entendendo a visão de Konkin. Konkin pediu a criação de um movimento revolucionário liderado por trabalhadores e empresários que cooperam voluntariamente em trocas econômicas que ocorrem fora do alcance do Estado. Ele chamou esse movimento de Nova Aliança Libertária. Konkin baseou suas idéias revolucionárias em uma base do libertarianismo na linha de Rothbard e dos anarquistas individualistas americanos antes dele. No Novo Manifesto Libertário, Konkin escreve:‬
‪“Onde o Estado divide e vence sua oposição, o libertarianismo une e liberta. Onde o Estado fica alto, o libertarianismo esclarece; onde o Estado oculta, o libertarianismo descobre; onde o Estado perdoa, o libertarianismo acusa.‬
‪O libertarianismo elabora toda uma filosofia a partir de uma premissa simples: a violência iniciática ou sua ameaça (coerção) é errada (imoral, mal, ruim, supremamente impraticável etc.) e é proibida; nada mais é.‬
‪O libertarianismo, conforme desenvolvido até esse ponto, descobriu o problema e definiu a solução: o Estado versus o Mercado. O mercado é a soma de todas as ações humanas voluntárias. Se alguém age de maneira não coercitiva, faz parte do mercado. Assim, a Economia se tornou parte do libertarianismo. ”‬
‪A partir disso, Konkin desenvolveu seus pontos de vista sobre a propriedade:‬
‪“O libertarianismo investigou a natureza do homem para explicar seus direitos decorrentes da não coerção. Imediatamente se seguiu que o homem (mulher, criança, marciano etc.) tinha um direito absoluto a essa vida e a outras propriedades - e nenhuma outra.‬
‪Todo roubo é iniciação à violência, seja o uso da força para retirar propriedades involuntariamente ou para impedir o recebimento de mercadorias ou o retorno do pagamento por mercadorias que foram livremente transferidas por acordo. ‬
‪Konkin se envolveu no crescente movimento libertário no final dos anos sessenta. Nesse ponto, os amantes da liberdade estavam começando a reconhecer o potencial de um movimento nacional de radicais antiestatistas e pró-mercado. No meio dessa oportunidade, Konkin viu ativistas libertários sendo atraídos para esquemas de "obter liberdade rapidamente", como a política eleitoral. Em um contra-ataque aos inimigos da liberdade, Konkin esboçou uma nova filosofia que ele acreditava ser simplesmente o resultado da aplicação dos princípios libertários aos seus fins mais consistentes e lógicos.‬
‪“ O princípio básico que leva um libertário do estatismo à sua sociedade livre é o mesmo que os fundadores do libertarianismo usaram para descobrir a própria teoria. Esse princípio é consistência. Assim, a aplicação consistente da teoria do libertarianismo a toda ação que o libertário individual toma cria a sociedade libertária.‬
‪Muitos pensadores expressaram a necessidade de consistência entre meios e fins e nem todos eram libertários. Ironicamente, muitos estatísticos alegam inconsistência entre fins louváveis ​​e meios desprezíveis; todavia, quando seus verdadeiros fins de maior poder e opressão foram compreendidos, seus meios são considerados bastante consistentes. Faz parte da mística estatista confundir a necessidade de consistência entre fins e meios; é, portanto, a atividade mais crucial do teórico libertário expor inconsistências. Muitos teóricos o fizeram admiravelmente; mas tentamos e mais falhámos em descrever a combinação consistente de meios e fins do libertarianismo.‬
‪O novo libertarianismo (agorismo) não pode ser desacreditado sem a liberdade ou a realidade (ou ambas) serem desacreditadas, apenas uma formulação incorreta. ”‬
‪Resumidamente, o agorismo pede a criação de uma nova sociedade, competindo diretamente com o Estado, em vez de confiar no voto, na política eleitoral ou na violência insurrecional. Konkin cunhou o termo agorismo após a palavra grega agora para "mercado aberto". Para alcançar essa ágora, Konkin pediu aos empreendedores que fizessem uso dos chamados "mercados preto e cinza". " Em resumo, o 'mercado negro' é algo não violento proibido pelo Estado e continuado de qualquer maneira", escreveu Konkin . “O 'mercado cinza' é usado aqui para significar negociar bens e serviços, não eles próprios ilegais, mas obtidos ou distribuídos de maneira legislada pelo Estado.”‬
‪Para Konkin, uma sociedade verdadeiramente libertária seria agorista - “ libertária na teoria e livre mercado na prática”. Essa sociedade incluiria o respeito à propriedade justamente adquirida, a cooperação voluntária entre empresários e produtores e a substituição de todos os "serviços" do Estado pela concorrência privada entre indivíduos e coletivos.‬
‪“A análise libertariana nos mostra que o Estado é responsável por qualquer dano a inocentes, que alega que o 'egoísta sonegador' tenha incorrido; e os 'serviços' que o Estado 'fornece' são ilusórios. Mas, mesmo assim, deve haver mais do que uma resistência solitária inteligentemente escondida ou 'desistência'? Se um partido político ou exército revolucionário é inapropriado e autodestrutivo para objetivos libertários, que ação coletiva funciona? A resposta é agorismo.”‬
‪O objetivo do agorismo é substituir todos os relacionamentos coercitivos e não consensuais por relacionamentos voluntários, baseados em benefícios mútuos via empreendedorismo nos mercados preto e cinza. Esse embaralhamento de " grandes coleções da humanidade, da sociedade estatista à ágora" foi " verdadeira atividade revolucionária". Segundo Konkin, os agoristas não devem lançar "ataques" ao Estado. " Somos estritamente defensivos", escreveu Konkin em An Agorist Primer , seu seguimento ao The New Libertarian Manifest.‬
‪Além disso, Konkin descreveu um agorista como " aquele que vive contra-economicamente sem culpa por suas ações heróicas do dia-a-dia, com a velha moral libertária de nunca violar a pessoa ou a propriedade de outra pessoa" . A filosofia enfatiza a importância de agir. “ Um agorista é aquele que vive agorismo. Não aceite falsificações. Há agoristas “tentando fazer jus a isso”. É claro que existem mentirosos que alegam ser qualquer coisa. Como Yoda disse sucintamente: Ou não. Não há tentativa.' Isso é agorismo.‬
Contra-economia como definida por Konkin
‪Se o agorismo é a principal contribuição filosófica de Konkin, seu reconhecimento da Contraeconomia como caminho para o agorismo é igualmente importante. O termo Contraeconomia pode ser atribuído ao tempo e período em que Konkin desenvolveu suas idéias. " Contra-Cultura era uma frase popular, a única vitória duradoura dos" hippies ". A Contra-Economia implicava que a" revolução não havia terminado "e que o Sistema Econômico precisava passar pela mesma transformação que a Cultura, ” Konkin escreveu .‬
‪Conforme definido acima, os mercados de preto e cinza fazem parte da Contraeconomia, que Konkin definiu como “Toda ação humana (não coercitiva) cometida em desafio ao Estado”. De acordo com os princípios libertários de não agressão, Konkin rotula a violência inicial na forma de roubo ou assassinato como o "mercado vermelho", o único tipo de atividade que é evitada em sua contra-economia.‬
‪Konkin explica que, à medida que as atividades repressivas e opressivas do Estado aumentarem, o povo começará a procurar alternativas econômicas à regulamentação e interferência do Estado. Isso oferece aos Agoristas de visão de futuro uma oportunidade de lançar e apoiar atividades e negócios contra-econômicos. Konkin acreditava que, uma vez que a contra-economia tivesse progredido ao ponto de os empresários fornecerem ao público serviços de proteção e segurança que poderiam rivalizar ou se defender contra o Estado, a revolução agorista estaria completa.‬
‪“ Devagar, mas com firmeza, avançaremos para a sociedade livre, transformando mais contra-economistas em libertarianismo e mais libertários em contra-economia, finalmente integrando teoria e prática. A contraeconomia crescerá e se espalhará para o próximo passo que vimos em nossa viagem para trás, com uma sub-sociedade agorista cada vez maior incorporada na sociedade estatista. Alguns agoristas podem até se condensar em distritos e guetos discerníveis e predominar em ilhas ou colônias espaciais. Neste ponto, a questão da proteção e defesa se tornará importante. ”‬
‪“Eventualmente, é claro, após um período de mudanças cada vez mais rápidas desse tipo, o“ subterrâneo ”entrará e substituirá o“ solo ”; o estado murchará na irrelevância, seus contribuintes, soldados e agentes da lei o abandonaram para o mercado; e ficaremos com uma sociedade livre e agorista. ”‬
A contra-economia como ferramenta para todos os radicais
‪Konkin imaginou um mundo de comunidades descentralizadas, ponto a ponto, conscientemente e voluntariamente, fazendo negócios na contra-economia como um meio para acabar com o Estado e libertar o povo. A gama de (e oportunidades para) atividade contraeconômica aumentou apenas com a expansão da Internet e tecnologia descentralizada, como cripto-moedas. Konkin discutiu várias formas de atividade contraeconômica, incluindo o uso de dinheiro para evitar a detecção, a troca, o investimento em metais preciosos, o emprego indocumentado, o uso de drogas e medicamentos ilícitos e ilegais, a prostituição, o comércio ilegal, o jogo, o comércio de armas ou simplesmente a prestação de um serviço. enquanto aceita o pagamento em moedas não estatistas.‬
‪As possibilidades são essencialmente infinitas e devem ser bem-vindas por todos os radicais que buscam alternativas ao Statism e ao status quo. Qualquer indivíduo ou coletivo que reconheça o monopólio econômico mantido pelo uso contínuo da Nota do Federal Reserve (dólar) deve apoiar medidas contraeconômicas e investir na criação de alternativas. Se sua idéia de liberdade econômica é de propriedade coletiva ou de natureza individualista, o agorismo oferece uma oportunidade para comunidades, bancos mútuos, lojas de tempo e mercados baseados na contra-economia. Isso permitirá que todos os empreendimentos contra-econômicos não estatistas cooperem e competam na busca de uma sociedade mais livre. Como Nick Ford observou, há uma oportunidade para uma aliança agorista-sindicalista e, em nosso primeiro livro, John Vibes e eu propomos a criação de uma aliança Agorista-Mutualista. Muito simplesmente, se você deseja abolir o Estado e a classe privilegiada que se beneficia com a sua existência, crie alternativas ao paradigma atual e supere as instituições arcaicas de ontem.‬
‪Devo notar que Konkin era crítico do comunismo. Em " Contra-economia: nossos meios", ele escreve, " a comuna anti-mercado desafia a única lei executável - a lei da natureza. A estrutura organizacional básica da sociedade (acima da família) não é a comuna (ou tribo ou tribo extendida ou Estado), mas a ágora. Não importa quantos desejem o comunismo trabalhar e se dedicar a ele, ele fracassará. Eles podem conter o agorismo indefinidamente por um grande esforço, mas quando deixam de lado, o 'fluxo' ou 'Mão Invisível' ou 'marés da história' ou 'incentivo ao lucro' ou 'fazendo o que vem naturalmente' ou 'espontaneidade' levarão a sociedade inexoravelmente mais perto da ágora pura. ”(3)‬
‪No entanto, não acho que sua percepção pessoal do comunismo deva desencorajar os indivíduos a investir na contra-economia. É provável que haja uma ampla gama de atividades, opiniões e soluções. Num mercado verdadeiramente livre, cada uma dessas persuasões poderia coexistir.‬
Entendendo a visão de agorismo de Konkin
‪É importante distinguir a atividade contra-econômica da atividade agorista. Embora se possa ser traficante de drogas, prostituta, traficante de armas, barbeiro sem licença ou outro empresário do mercado cinza / preto, não se segue que também seja um contra-economista ou agorista praticante consciente. Geralmente, a atividade econômica nos mercados de preto e cinza é sempre contra-econômica, porque é isenta de impostos e retira o Estado da situação. Mas, sem a consciência da filosofia agorista e o esforço consciente para remover o poder econômico do Estado, alguém está simplesmente violando a lei do Estado. Embora desrespeitar as leis do estado contra crimes sem vítimas seja um ato louvável, ele não faz de um agorista. Em resumo, você pode apoiar e participar de empreendimentos contra-econômicos sem abraçar de todo o coração as idéias de Konkin,‬
Então, o que diferencia o agorismo do anarcocapitalismo e outras formas de anarquismo de mercado?
‪Como observado anteriormente, Konkin foi uma parte vital do estabelecimento do movimento esquerda-libertário das décadas de 1960, 70 e 80. O Movimento da Esquerda Libertária nasceu das experiências de Konkin ao trabalhar com Murray Rothbard e Karl Hess na Esquerda e Direita , uma revista dedicada a reunir a “direita” antiestatista e a Nova Esquerda do final dos anos 60. Essas experiências influenciaram muito o pensamento e o desenvolvimento do agorismo por Konkin. Quando perguntado por que ele escolheu se identificar como uma "esquerda libertária" ou libertária de esquerda, Konkin disse que estava "à esquerda" de Rothbard, por isso tornou-se natural referir-se ao seu movimento como libertário de esquerda. Ele também notou seu interesse em continuar a " aliança de Rothbard 1960-69 com a Nova Esquerda anti-armas nucleares e depois anti-guerra" .‬
‪“Entre figuras importantes no desenvolvimento do movimento libertário moderno, Konkin se destaca em sua insistência de que o libertarianismo corretamente concebido pertence à ala esquerda radical do espectro político”, escreve David S. D'Amato para Libertarianism.org “ His Movement of a esquerda libertária, fundada como uma coalizão de livre mercado esquerdista, resistiu à associação do libertarianismo com o conservadorismo. Posicionando-o ainda mais à esquerda, o agorismo abraça a noção de guerra de classes e implica uma análise distintamente libertária da luta de classes e estratificação. ”‬
‪Quando perguntado sobre as principais diferenças entre libertário de esquerda / agorismo e anarcocapitalismo, Konkin disse: “ Em teoria, aqueles que se autodenominam anarcocapitalistas não diferem drasticamente dos agoristas; ambos afirmam querer anarquia (apatridia, e concordamos bastante com a definição de Estado como um monopólio da coerção legitimada, emprestada de Rand e reforçada por Rothbard). Mas, no momento em que aplicamos a ideologia ao mundo real (como dizem os marxóides, "capitalismo realmente existente"), divergimos imediatamente em vários pontos ".‬
‪Nas palavras de Konkin, " os" anarcocapitalistas "tendem a fundir o Inovador (Empreendedor) e o Capitalista, da mesma forma que os marxóides e os coletivistas mais cruéis. Os agoristas são rigorosos rothbardianos e, eu diria, neste caso, ainda mais rothbardianos que Rothbard, que ainda possuíam algumas das antigas confusões em seu pensamento. ” Konkin também disse que os AnCaps de sua época tinham uma tendência a“ acreditar no envolvimento com partidos políticos existentes ” e usando o“ complexo de defesa dos EUA para combater o comunismo ”, o terrorismo ou qualquer outra causa equivocada. Embora se possa dizer que a AnCaps que apóia o Departamento de Defesa é minoria em 2016, o argumento ilustra que desde o início do movimento agorista, houve um esforço para segregar o elemento AnCap.‬
‪Konkin acreditava que " muito mais que o estatismo precisaria ser eliminado da consciência individual" para que uma sociedade verdadeiramente livre existisse. Com base nessa afirmação (e em seus escritos em outros lugares), parece claro que Konkin adotou um libertarianismo "grosso" que luta pela libertação coletiva por meios individuais e não termina sua análise no Statism. De fato, Konkin escreveu especificamente sobre a opressão contra as mulheres e a comunidade gay. ‬
‪Outra diferença entre o libertarianismo Konkiano e o dos “libertários da direita” é a questão da classe. Embora o direito normalmente evite análises baseadas em classes, Konkin ajudou a desenvolver o que ficou conhecido como "A teoria agorista das classes". A teoria de classes agorista refuta a teoria comunista de classes de Marx e reconhece as diferenças entre empresários não estatistas e capitalistas estatistas.‬
‪Konkin elaborou essas idéias em uma entrevista e em discussões no grupo Yahoo de esquerda e libertária . Mais uma vez ele destacou a importância de separar os “ não-inovadores e capitalistas pró-estatistas” dos “ capitalistas não-estatal (no sentido de detentores de capital, não necessariamente ideologicamente conscientes)” , chamando-os de “ neutra robô-como não -inovadores ” . Quando se tratava da classe trabalhadora, Konkin argumentou que o Estado sufocava a inovação e o empreendedorismo, o que mantinha a classe trabalhadora ocupada fazendo um trabalho ocupado sem sentido. Ele chamou trabalhadores e camponeses de “ uma relíquia embaraçosa de uma era anterior, na melhor das hipóteses, e aguarda com expectativa o dia em que eles desaparecerão por falta de demanda do mercado”.‬
‪Além disso, Konkin fez comentários favoráveis ​​em relação aos movimentos dos trabalhadores. No Yahoo-Grupo Libertário de Esquerda, Konkin disse que aprovou a tentativa dos Trabalhadores Industriais do Mundo (IWW) de recrutar libertários. Konkin disse que queria “ lembrar os antigos membros da MLL e informar aos novatos que, como mercado livre e pró-empresário, a MLL apóia sindicatos anarco-sindicalistas genuínos que sempre se recusam a colaborar com o Estado. (Na América do Norte, esse é o IWW e nada mais que eu saiba.) ” Ele observou que o IWW se separou do Partido Socialista dos EUA pelas mesmas razões que seu MLL se separou do Partido Libertário dos EUA -“ uma rejeição do parlamentarismo pela ação direta ” .‬
‪Konkin também discordou em confundir os termos "livre empresa" e "capitalismo" com o "mercado livre". " Capitalismo significa a ideologia (ism) do capital ou capitalistas" , escreveu ele. “ Antes de Marx aparecer, o puro comerciante Thomas Hodgskin já usava o termo capitalismo como pejorativo; os capitalistas estavam tentando usar a coerção - o Estado - para restringir o mercado. O capitalismo, então, não descreve um mercado livre, mas uma forma de estatismo, como o comunismo. A livre empresa só pode existir em um mercado livre. ”‬
‪Konkin se referiu a seu movimento como "revolucionário" e "radical", termos que geralmente são usados ​​para descrever movimentos de esquerda e rejeitados por "libertários de direita" e conservadores. O uso da terminologia da Nova Esquerda não foi um erro. Konkin estava fazendo um esforço consciente para distinguir sua marca de “anarquismo revolucionário de mercado” do crescente movimento anarcocapitalista.‬
‪Em conclusão, Samuel E. Konkin III criou com sucesso uma extensão da filosofia libertária, utilizando táticas consistentes da teoria à aplicação (Contra-Economia), enquanto fornecia um caminho para uma sociedade mais livre. Ele fez esforços para reconhecer as diferenças entre seu movimento e outros, mas ao mesmo tempo reconhecendo que o ataque contra-econômico pode ser realizado por um amplo espectro de antiestatistas. Se conseguirmos criar com êxito uma Aliança Panarquista de Contra-Economistas, ainda podemos construir um mercado verdadeiramente livre que permita experimentação e comércio gratuitos entre diferentes escolas de pensamento. Nesse espaço, veremos o florescimento do movimento agorista consciente.‬
‪Fontes:‬
‪1- Agorismo: Nosso Objetivo, O Manifesto Do Novo Libertário;‬
‪2- Contra-economia: nossos meios, O Manifesto Do Novo Libertário;‬
‪3- Agorismo Aplicado, Uma Cartilha Agorista;‬
‪4- Economia Aplicada, Uma Cartilha Agorista;‬
submitted by O-Pensador to PoliticaMundial [link] [comments]


2019.09.06 18:36 TaoQingHsu (Capítulo 1) Uma breve conversa sobre a Escritura de quarenta e dois capítulos dita por Buda

Co-tradutores no tempo da dinastia Han Oriental, China (25 a 200 dC): Kasyapa Matanga e Zhu Falan (que traduziu a dita Escritura do sânscrito para o chinês).
Tradutor nos tempos modernos (D.2018: Tao Qing Hsu (que traduziu a dita Escritura do chinês para o inglês).
Professor e escritor por explicar a dita Escritura: Tao Qing Hsu
Capítulo 1: Saia da família e prove a fruta do Dao
O Buda disse: “Aqueles que se despedem de seus familiares, saem da família, reconhecem o coração, alcançam a raiz de dentro, entendem a lei do não fazer, são chamados de Sramana. Aqueles que sempre seguem os 250 Preceitos, estão na limpeza e purificação enquanto vão e param, e fazem a prática do Dao das Quatro Nobres Verdades, tornam-se Arhats. Arhats são capazes de voar e mudar, têm a vida de grandes éons, podem habitar e se mover no céu e na terra. O próximo é Anāgāmi. No momento da morte, seus espíritos ascendem acima do décimo nono céu, onde provam os Arhats. O próximo é Sakridāgāmi, que ganha o Arhat imediatamente, depois de ascender ao céu uma vez e retornar à terra uma vez. O próximo é Srotāpanna, que prova Arhat, após sete mortes e sete nascimentos. Cortar o amor e o desejo é como membros quebrados que não podem ser usados ​​novamente. ”
Sramana, Arhat, Anāgāmi, Sakridāgāmi e Srotāpanna são todos em sânscrito. Eles são separadamente significados ao grau diferente relacionado a praticar o Dao. Tais nomes são todos diferenciados e dados por pessoas. Pensar nos diferentes graus do Doutor, Mestre e Bacharel, cujos nomes também são diferenciados e dados pelas pessoas. Espero que esse exemplo faça você entender mais isso.
"Saia da família", o que significa que um homem deixa sua família para se tornar um monge budista. Existem dois tipos de sair da família. Uma é que a forma de monge budista parece sair da família, mas seu coração ainda está na família. A outra é que a forma de não-monge budista vive na família, no entanto, seu coração é realmente sair da família, tal é o verdadeiro e sair da família. Ou seja, não importa qual seja a forma, o coração que saiu da família é realmente sair da família.
Então, podemos ter dúvidas. Por que um coração quer sair da família? Existe algum significado para? No capítulo vinte e três desta escritura, menciona-se uma das razões. O conceito desta escritura também é adequado para mulheres. O coração que sai da família significa deixar de lado o constrangimento, os problemas e a aflição ocorridos na família, não deixar de fora os membros da família. O significado mais profundo é transformar essas restrições, problemas e aflições em sabedoria para que nós e os outros tenhamos uma vida melhor.
Nos tempos antigos e modernos, quando as pessoas saíam da família para se tornar um monge ou freira, elas deveriam ter a permissão de seus pais primeiro. Isso é para respeitar os pais e agradecer-lhes para nos criar. Nos tempos passados​​da China, também deve ter a permissão do governo e ter que ser registrada no governo, o que é motivo para evitar que o criminoso contorne a punição da lei por meio da saída da família.
“Reconheça o coração, alcance a raiz do interior, entenda a lei do não fazer”, o que significa reconhecer que não há coração nem mente; tudo ocorre do nosso coração e mente. Quando temos o coração e a mente, tudo ocorre então. Quando removemos nosso coração e mente, tudo é eliminado. "Tudo" significa o fenômeno, situação, matéria, objeto e coisas do nosso exterior e interior. Algumas pessoas que ouviram o conceito de sem coração, sem mente e sem consciência, estão aterrorizadas e infelizes em repreender o budismo. Porque em seu pensamento e conceito, como seria possível que não houvesse coração, nem mente nem consciência? Eles não entendem isso.
Um dia, Huike, que foi o segundo fundador do zen na China, disse ao primeiro fundador Dharma: “Mestre, sinto que meu coração não está em paz. Por favor, ajude-me a ter meu coração em paz.
O fundador Dharma respondeu a ele: “Me dê seu coração. Eu te ajudo a ter o coração em paz.
Huike pensou por um tempo e depois respondeu ao fundador Dharma: "Mestre, não consigo encontrar meu coração".
Então, o fundador Dharma respondeu: “Eu já te ajudei a ter o coração em paz”.
A raiz do interior é o vazio. Alcançar a raiz do interior significa alcançar o vazio. A natureza maravilhosa do interior é o vazio. Se tivermos esse conceito, entenderemos o significado do não fazer.
A maioria das pessoas que ouviram o conceito de não fazer no budismo também estão aterrorizadas e infelizes, porque elas têm muito pensamento negativo e incompreensão sobre isso. Eventualmente, em alguma situação, não fazer é melhor do que fazer, você já pensou sobre isso? Não fazer é um estado que é preocupação com o não-coração e o vazio. Neste estado e momento, nosso corpo físico e mental estará em paz, silêncio e saúde. Isso é o Nirvana. O objetivo de praticar o Dao é o Nirvana. Não é um sentimento curto. Deve ser um estado estável e contínuo, que é a grande meditação. Nesse estado, será o fundamento, a partir do qual podemos fazer e pensar de qualquer maneira positiva, de modo a ajudar e beneficiar a nós e aos outros.
Todo praticando o Dao tem como objetivo o estado do Nirvana. Há muitas maneiras diferentes de praticar o Dao. Para recitar ou cantar o nome de Fo ou Pusa, ou ler a escritura do budismo, ou pensar no significado do ensinamento de Buda e sentar-se para meditar, todos eles são um dos caminhos. (Fo é Buda; Pusa é Budhisattva.) Essa parte é para ajudar e nos beneficiar. Quando nosso coração está limpo, puro e pacífico, temos a força para ajudar e beneficiar os outros, que é o aprendizado mais profundo.
“Reconhecer o coração, alcançar a raiz do interior, entender a lei do não fazer” é o grau mais alto na prática do Tao. O homem que está em tal estado é chamado Sramana. Antes do estado acima mencionado, ele poderia ter feito as seguintes coisas.
“Aqueles que sempre seguem os 250 Preceitos, estão em estado de limpeza e purificação enquanto vão e param, e praticam o Dao das Quatro Nobres Verdades, tornam-se Arhats.” Significa que os monges budistas têm que obedecer aos 250 Preceitos. . E não importa para onde estão indo, a coisa boa para beneficiar a si mesmos e aos outros, ou parar as coisas más para não machucar a si mesmos ou aos outros, devem estar no estado de limpeza e purificação no coração e na mente.
Nós não somos monge budista, então não temos que obedecer aos 250 Preceitos. Mas isso nos inspira. Quando estamos fazendo as coisas boas e não estamos fazendo as coisas más, devemos também manter a limpeza e a purificação no coração e na mente. Significa que devemos remover o ganancioso, o ódio, a estupidez e a paixão, de coração e mente, porque essas coisas contaminariam nosso coração e mente, e nos deixarão ter o pensamento negativo. Se esses deles forem removidos, estaremos no esplendor, teremos a mente pacífica e o pensamento positivo, em benefício de nós e dos outros.
“Faça a prática do Dao das Quatro Nobres Verdades.” Significa que colocar o Dao das quatro nobres verdades na prática é uma das condições para se tornar Arhat. As quatro nobres verdades são Sofrimento, Agregação, Eliminação e Tao, que são as causas e condições para atingir o estado de Buda. O sofrimento é a causa. A agregação e eliminação são as condições. O Dao é a condição e resultado. "Dao" é transliterado da palavra chinesa. Seu significado original é o caminho. E seu significado é estendido para praticar a verdade.
A primeira causa e condição para entrar no caminho de Buda é perceber o sofrimento de nosso interior, como qualquer dor causada por nosso corpo, ou qualquer pressão causada por nossa vida, ou qualquer doença mental causada por nossa ganância, ódio, estupidez. e paixão.
A segunda causa e condição para entrar no caminho de Buda é perceber e descobrir que o sofrimento do nosso interior é agregado continuamente. A maioria das pessoas não tem essa percepção. Qualquer sofrimento é fácil de ser esquecido pelas pessoas. Uma vez que qualquer sofrimento é lembrado por eles, o que eles pensam é que eles são a pessoa perseguida, todos os seus sofrimentos internos são causados ​​pelos outros. Então eles querem se vingar para eliminar o sofrimento deles. Tal pensamento está violando o caminho de Buda.
Quando percebemos e descobrimos que o sofrimento do nosso interior é agregado continuamente, seguimos o caminho de Buda para eliminar o sofrimento do nosso interior. Isso significa que entrar no caminho de Buda é uma maneira de eliminar nosso sofrimento interior. Então, podemos ter dúvidas, qual é o caminho de Buda? A definição do caminho de Buda é ampla e infinita. O ponto está nesta escritura. Em segundo lugar, o ponto mais importante está na Escritura do Coração da Sabedoria Suprema, que você pode encontrar e ler no meu blog. É difícil para o público entender a Escritura do Coração da Sabedoria Suprema. Em uma palavra, o fundamento do caminho de Buda é a autopercepção, o autocontrole, a autoliberação e a autodisciplina.
Então, quando “caminhamos” pelo caminho de Buda, isso significa que colocamos a verdade ou a lei búdica ensinada por Buda na prática. Nós damos um nome como "Dao" (ou "Tao").
"Arhats são capazes de voar e mudar, têm a vida de grandes éons, podem habitar e se mover no céu e na terra." Isso significa a libertação e liberdade sobre a vida pessoal e ação. Isso também significa que o Arhat pode decidir sua própria duração de vida e pode decidir onde morar, ou onde nascer, o céu ou a terra. Em segundo lugar, não importa onde o Arhat vá ou vive, os guardiões invisíveis estão sempre ao lado do Arhat para protegê-lo, porque os espíritos e os fantasmas no céu e na terra seriam movidos pela virtude de Arhat e jurariam se tornar os guardiões proteja o Arhat. Os Arhats incluem machos e fêmeas. Em algumas Escrituras, o Bodhisatva também é chamado de Arhat, que possui imensurável felicidade devido à virtude de Arhat.
Está realmente além do nosso conhecimento e experiência. Mas isso não significa que tal Arhat não exista, porque não podemos provar que tal Arhat existe, e também não podemos provar que tal Arhat não existe. É mais como a experiência transcendental pessoal. Quando nos tornamos Arhat ou quando nos encontramos Arhat, é uma experiência transcendental muito pessoal.
Quando uma pessoa tem a experiência prática mencionada, damos a ela um nome como “Arhat”. "Arhat" é sânscrito.
“O próximo é Anāgāmi. No momento da morte, seus espíritos sobem acima do décimo nono céu, onde eles provam os Arhats. ”Isso significa que uma pessoa está no momento da morte, seu espírito habita no céu ou acima do décimo nono e onde ele provém o fruto de Arhat Então, é dado um nome como “Anāgāmi”, que é sânscrito.
Há trinta e três céus que são mencionados no budismo. Eles são mais semelhantes aos diferentes espaços dimensionais, de acordo com o nosso entendimento no tempo moderno.
“O próximo é Sakridāgāmi, que ganha o Arhat imediatamente, depois de ascender ao céu uma vez e retornar à terra uma vez.” Significa que tal pessoa pratica a lei de Buda e reencarna no céu e na terra uma vez. E então, ganha o fruto do Arhat. Damos a essa pessoa um nome como “Sakridāgāmi”, que é a sanskirt.
“O próximo é Srotāpanna, que prova Arhat, depois de sete mortes e sete nascimentos.” Isso significa que essa pessoa pratica a lei de Buda e tem que experimentar a reencarnação por sete vezes no céu e na terra. E então, ganha o fruto do Arhat. Tal pessoa recebe um nome como “Srotāpanna”, que é Sanskirt.
No budismo, existe tal conceito que existem imensuráveis ​​reencarnações para um espírito de uma pessoa, como um espírito em uma roda, onde inclui os Seis Caminhos, que são três pertencentes a bons caminhos e três pertencem a caminhos maus. Os três bons caminhos são os caminhos do Bodhisattva, Ashura e Humano. Os três maus caminhos são os caminhos do Fantasma, Animal e Inferno. Que o espírito reencarna nos Seis Caminhos por turnos é como uma roda girando continuamente, e nunca sai da roda giratória. Somente quando o espírito entra no caminho de Buda, há a chance de deixar a roda giratória.
"Cortar o amor e o desejo é como membros quebrados que não podem ser usados​​novamente." A definição do amor e do desejo aqui é mais estreita, o que significa que as pessoas gostam de alguém romanticamente ou são sexualmente atraídas. O amor e o desejo afetariam a emoção e o pensamento das pessoas. Algumas pessoas usam seu amor e desejo de controlar os outros. No entanto, algumas pessoas são assim controladas em mente. Não importa qual deles, seu coração e mente não são liberados e não são livres. Uma vez que seu amor e desejo não estão contentes, o pensamento e o comportamento irracionais são assim ocorridos. Não importa como eles são, seu coração e mente podem ser feridos. No entanto, alguém gosta de tal situação. O Buda considera essas pessoas como estupidez e paixão, e essas pessoas estão, portanto, no estado de não-brilho.
Que cortar o amor e o desejo é como membros quebrados significa que uma pessoa deve ter a determinação de praticar o Dao. Não deixe que o amor e o desejo se tornem o obstáculo na prática do Tao.
Mas o supracitado é um dos ensinamentos de Buda. Existe o profundo e outro ensinamento de Buda. Isto é, não é necessário cortar o amor e o desejo. Por quê? Não há amor e desejo fundamentalmente, quando compreendemos completamente o não-eu e o auto-vazio. Nosso amor e desejo ocorrem e são atraídos pela situação externa. Se entendermos o Vazio de fora e de dentro, onde encontrar o amor e o desejo de sermos cortados? Mas, tal conceito é difícil de ser entendido pelo Arhat, para não mencionar as pessoas comuns. Pode ser possível entender, quando fazemos a meditação profunda. Se não tivermos essa sabedoria, é melhor cortarmos o amor e o desejo quando tivermos a determinação de praticar o Tao. Em tal situação, o amor e o desejo não são reais, porque são ilusões. Mas as pessoas comuns as consideram reais. Inglês: (Chapter 1)A Brief Talk about The Scripture of Forty-Two Chapters Said by Buddha
https://po-bvlwu.blogspot.com/2018/10/capitulo-1-uma-breve-conversa-sobre.html
submitted by TaoQingHsu to u/TaoQingHsu [link] [comments]


2019.09.06 02:50 O-Pensador Agorismo NÃO é Anarcocapitalismo

O objetivo deste ensaio é triplo. Primeiro, identificarei os conceitos-chave que descrevem a filosofia do agorismo e a estratégia da Contra-Economia, conforme descrito por Samuel E. Konkin III em “O Manifesto Do Novo Libertário” e “Uma Cartilha Agorista.” Segundo, ilustrarei como os radicais de todos os tipos podem utilizar a estratégia da contra-economia, conforme descrito por Konkin, sem necessariamente endossar sua filosofia do agorismo e seus princípios específicos. Finalmente, descreverei o que diferencia o agorismo do anarcocapitalismo e de outras escolas de pensamento. Mostrarei que, embora a estratégia contra-econômica possa ser utilizada por quase qualquer indivíduo, o agorismo em si não é simplesmente uma tensão ou subconjunto do anarcocapitalismo, mas uma filosofia política única.‬
‪Antes de me aprofundar, permita-me explicar brevemente a inspiração para o título deste ensaio e o próprio ensaio. Como demonstrarei, a mensagem agorista e a estratégia contra-econômica podem ser úteis para qualquer indivíduo que se encontre em busca de um mundo mais livre, justo e ético. No entanto, a razão pela qual o título se concentra no anarcocapitalismo é porque notei uma tendência nos círculos de mídia social “libertários de direita” / AnCap, em que os indivíduos afirmam apoiar as idéias de Konkin e seu agorismo, mas também expressam um desagrado pelo libertarianismo de esquerda . Meu objetivo é ajudar os leitores com esse ponto de vista a entender o papel essencial que Konkin e seu "Novo Libertarianismo", ou Agorismo, desempenharam no desenvolvimento do movimento Esquerda-Libertário Americano.‬
O Agorismo Como Libertarianismo Consistente
‪Vamos começar entendendo a visão de Konkin. Konkin pediu a criação de um movimento revolucionário liderado por trabalhadores e empresários que cooperam voluntariamente em trocas econômicas que ocorrem fora do alcance do Estado. Ele chamou esse movimento de Nova Aliança Libertária. Konkin baseou suas idéias revolucionárias em uma base do libertarianismo na linha de Rothbard e dos anarquistas individualistas americanos antes dele. No Novo Manifesto Libertário, Konkin escreve:‬
‪“Onde o Estado divide e vence sua oposição, o libertarianismo une e liberta. Onde o Estado fica alto, o libertarianismo esclarece; onde o Estado oculta, o libertarianismo descobre; onde o Estado perdoa, o libertarianismo acusa.‬
‪O libertarianismo elabora toda uma filosofia a partir de uma premissa simples: a violência iniciática ou sua ameaça (coerção) é errada (imoral, mal, ruim, supremamente impraticável etc.) e é proibida; nada mais é.‬
‪O libertarianismo, conforme desenvolvido até esse ponto, descobriu o problema e definiu a solução: o Estado versus o Mercado. O mercado é a soma de todas as ações humanas voluntárias. Se alguém age de maneira não coercitiva, faz parte do mercado. Assim, a Economia se tornou parte do libertarianismo. ”‬
‪A partir disso, Konkin desenvolveu seus pontos de vista sobre a propriedade:‬
‪“O libertarianismo investigou a natureza do homem para explicar seus direitos decorrentes da não coerção. Imediatamente se seguiu que o homem (mulher, criança, marciano etc.) tinha um direito absoluto a essa vida e a outras propriedades - e nenhuma outra.‬
‪Todo roubo é iniciação à violência, seja o uso da força para retirar propriedades involuntariamente ou para impedir o recebimento de mercadorias ou o retorno do pagamento por mercadorias que foram livremente transferidas por acordo. ‬
‪Konkin se envolveu no crescente movimento libertário no final dos anos sessenta. Nesse ponto, os amantes da liberdade estavam começando a reconhecer o potencial de um movimento nacional de radicais antiestatistas e pró-mercado. No meio dessa oportunidade, Konkin viu ativistas libertários sendo atraídos para esquemas de "obter liberdade rapidamente", como a política eleitoral. Em um contra-ataque aos inimigos da liberdade, Konkin esboçou uma nova filosofia que ele acreditava ser simplesmente o resultado da aplicação dos princípios libertários aos seus fins mais consistentes e lógicos.‬
‪“ O princípio básico que leva um libertário do estatismo à sua sociedade livre é o mesmo que os fundadores do libertarianismo usaram para descobrir a própria teoria. Esse princípio é consistência. Assim, a aplicação consistente da teoria do libertarianismo a toda ação que o libertário individual toma cria a sociedade libertária.‬
‪Muitos pensadores expressaram a necessidade de consistência entre meios e fins e nem todos eram libertários. Ironicamente, muitos estatísticos alegam inconsistência entre fins louváveis ​​e meios desprezíveis; todavia, quando seus verdadeiros fins de maior poder e opressão foram compreendidos, seus meios são considerados bastante consistentes. Faz parte da mística estatista confundir a necessidade de consistência entre fins e meios; é, portanto, a atividade mais crucial do teórico libertário expor inconsistências. Muitos teóricos o fizeram admiravelmente; mas tentamos e mais falhámos em descrever a combinação consistente de meios e fins do libertarianismo.‬
‪O novo libertarianismo (agorismo) não pode ser desacreditado sem a liberdade ou a realidade (ou ambas) serem desacreditadas, apenas uma formulação incorreta. ”‬
‪Resumidamente, o agorismo pede a criação de uma nova sociedade, competindo diretamente com o Estado, em vez de confiar no voto, na política eleitoral ou na violência insurrecional. Konkin cunhou o termo agorismo após a palavra grega agora para "mercado aberto". Para alcançar essa ágora, Konkin pediu aos empreendedores que fizessem uso dos chamados "mercados preto e cinza". " Em resumo, o 'mercado negro' é algo não violento proibido pelo Estado e continuado de qualquer maneira", escreveu Konkin . “O 'mercado cinza' é usado aqui para significar negociar bens e serviços, não eles próprios ilegais, mas obtidos ou distribuídos de maneira legislada pelo Estado.”‬
‪Para Konkin, uma sociedade verdadeiramente libertária seria agorista - “ libertária na teoria e livre mercado na prática”. Essa sociedade incluiria o respeito à propriedade justamente adquirida, a cooperação voluntária entre empresários e produtores e a substituição de todos os "serviços" do Estado pela concorrência privada entre indivíduos e coletivos.‬
‪“A análise libertariana nos mostra que o Estado é responsável por qualquer dano a inocentes, que alega que o 'egoísta sonegador' tenha incorrido; e os 'serviços' que o Estado 'fornece' são ilusórios. Mas, mesmo assim, deve haver mais do que uma resistência solitária inteligentemente escondida ou 'desistência'? Se um partido político ou exército revolucionário é inapropriado e autodestrutivo para objetivos libertários, que ação coletiva funciona? A resposta é agorismo.”‬
‪O objetivo do agorismo é substituir todos os relacionamentos coercitivos e não consensuais por relacionamentos voluntários, baseados em benefícios mútuos via empreendedorismo nos mercados preto e cinza. Esse embaralhamento de " grandes coleções da humanidade, da sociedade estatista à ágora" foi " verdadeira atividade revolucionária". Segundo Konkin, os agoristas não devem lançar "ataques" ao Estado. " Somos estritamente defensivos", escreveu Konkin em An Agorist Primer , seu seguimento ao The New Libertarian Manifest.‬
‪Além disso, Konkin descreveu um agorista como " aquele que vive contra-economicamente sem culpa por suas ações heróicas do dia-a-dia, com a velha moral libertária de nunca violar a pessoa ou a propriedade de outra pessoa" . A filosofia enfatiza a importância de agir. “ Um agorista é aquele que vive agorismo. Não aceite falsificações. Há agoristas “tentando fazer jus a isso”. É claro que existem mentirosos que alegam ser qualquer coisa. Como Yoda disse sucintamente: Ou não. Não há tentativa.' Isso é agorismo.‬
Contra-economia como definida por Konkin
‪Se o agorismo é a principal contribuição filosófica de Konkin, seu reconhecimento da Contraeconomia como caminho para o agorismo é igualmente importante. O termo Contraeconomia pode ser atribuído ao tempo e período em que Konkin desenvolveu suas idéias. " Contra-Cultura era uma frase popular, a única vitória duradoura dos" hippies ". A Contra-Economia implicava que a" revolução não havia terminado "e que o Sistema Econômico precisava passar pela mesma transformação que a Cultura, ” Konkin escreveu .‬
‪Conforme definido acima, os mercados de preto e cinza fazem parte da Contraeconomia, que Konkin definiu como “Toda ação humana (não coercitiva) cometida em desafio ao Estado”. De acordo com os princípios libertários de não agressão, Konkin rotula a violência inicial na forma de roubo ou assassinato como o "mercado vermelho", o único tipo de atividade que é evitada em sua contra-economia.‬
‪Konkin explica que, à medida que as atividades repressivas e opressivas do Estado aumentarem, o povo começará a procurar alternativas econômicas à regulamentação e interferência do Estado. Isso oferece aos Agoristas de visão de futuro uma oportunidade de lançar e apoiar atividades e negócios contra-econômicos. Konkin acreditava que, uma vez que a contra-economia tivesse progredido ao ponto de os empresários fornecerem ao público serviços de proteção e segurança que poderiam rivalizar ou se defender contra o Estado, a revolução agorista estaria completa.‬
‪“ Devagar, mas com firmeza, avançaremos para a sociedade livre, transformando mais contra-economistas em libertarianismo e mais libertários em contra-economia, finalmente integrando teoria e prática. A contraeconomia crescerá e se espalhará para o próximo passo que vimos em nossa viagem para trás, com uma sub-sociedade agorista cada vez maior incorporada na sociedade estatista. Alguns agoristas podem até se condensar em distritos e guetos discerníveis e predominar em ilhas ou colônias espaciais. Neste ponto, a questão da proteção e defesa se tornará importante. ”‬
‪“Eventualmente, é claro, após um período de mudanças cada vez mais rápidas desse tipo, o“ subterrâneo ”entrará e substituirá o“ solo ”; o estado murchará na irrelevância, seus contribuintes, soldados e agentes da lei o abandonaram para o mercado; e ficaremos com uma sociedade livre e agorista. ”‬
A contra-economia como ferramenta para todos os radicais
‪Konkin imaginou um mundo de comunidades descentralizadas, ponto a ponto, conscientemente e voluntariamente, fazendo negócios na contra-economia como um meio para acabar com o Estado e libertar o povo. A gama de (e oportunidades para) atividade contraeconômica aumentou apenas com a expansão da Internet e tecnologia descentralizada, como cripto-moedas. Konkin discutiu várias formas de atividade contraeconômica, incluindo o uso de dinheiro para evitar a detecção, a troca, o investimento em metais preciosos, o emprego indocumentado, o uso de drogas e medicamentos ilícitos e ilegais, a prostituição, o comércio ilegal, o jogo, o comércio de armas ou simplesmente a prestação de um serviço. enquanto aceita o pagamento em moedas não estatistas.‬
‪As possibilidades são essencialmente infinitas e devem ser bem-vindas por todos os radicais que buscam alternativas ao Statism e ao status quo. Qualquer indivíduo ou coletivo que reconheça o monopólio econômico mantido pelo uso contínuo da Nota do Federal Reserve (dólar) deve apoiar medidas contraeconômicas e investir na criação de alternativas. Se sua idéia de liberdade econômica é de propriedade coletiva ou de natureza individualista, o agorismo oferece uma oportunidade para comunidades, bancos mútuos, lojas de tempo e mercados baseados na contra-economia. Isso permitirá que todos os empreendimentos contra-econômicos não estatistas cooperem e competam na busca de uma sociedade mais livre. Como Nick Ford observou, há uma oportunidade para uma aliança agorista-sindicalista e, em nosso primeiro livro, John Vibes e eu propomos a criação de uma aliança Agorista-Mutualista. Muito simplesmente, se você deseja abolir o Estado e a classe privilegiada que se beneficia com a sua existência, crie alternativas ao paradigma atual e supere as instituições arcaicas de ontem.‬
‪Devo notar que Konkin era crítico do comunismo. Em " Contra-economia: nossos meios", ele escreve, " a comuna anti-mercado desafia a única lei executável - a lei da natureza. A estrutura organizacional básica da sociedade (acima da família) não é a comuna (ou tribo ou tribo extendida ou Estado), mas a ágora. Não importa quantos desejem o comunismo trabalhar e se dedicar a ele, ele fracassará. Eles podem conter o agorismo indefinidamente por um grande esforço, mas quando deixam de lado, o 'fluxo' ou 'Mão Invisível' ou 'marés da história' ou 'incentivo ao lucro' ou 'fazendo o que vem naturalmente' ou 'espontaneidade' levarão a sociedade inexoravelmente mais perto da ágora pura. ”(3)‬
‪No entanto, não acho que sua percepção pessoal do comunismo deva desencorajar os indivíduos a investir na contra-economia. É provável que haja uma ampla gama de atividades, opiniões e soluções. Num mercado verdadeiramente livre, cada uma dessas persuasões poderia coexistir.‬
Entendendo a visão de agorismo de Konkin
‪É importante distinguir a atividade contra-econômica da atividade agorista. Embora se possa ser traficante de drogas, prostituta, traficante de armas, barbeiro sem licença ou outro empresário do mercado cinza / preto, não se segue que também seja um contra-economista ou agorista praticante consciente. Geralmente, a atividade econômica nos mercados de preto e cinza é sempre contra-econômica, porque é isenta de impostos e retira o Estado da situação. Mas, sem a consciência da filosofia agorista e o esforço consciente para remover o poder econômico do Estado, alguém está simplesmente violando a lei do Estado. Embora desrespeitar as leis do estado contra crimes sem vítimas seja um ato louvável, ele não faz de um agorista. Em resumo, você pode apoiar e participar de empreendimentos contra-econômicos sem abraçar de todo o coração as idéias de Konkin,‬
Então, o que diferencia o agorismo do anarcocapitalismo e outras formas de anarquismo de mercado?
‪Como observado anteriormente, Konkin foi uma parte vital do estabelecimento do movimento esquerda-libertário das décadas de 1960, 70 e 80. O Movimento da Esquerda Libertária nasceu das experiências de Konkin ao trabalhar com Murray Rothbard e Karl Hess na Esquerda e Direita , uma revista dedicada a reunir a “direita” antiestatista e a Nova Esquerda do final dos anos 60. Essas experiências influenciaram muito o pensamento e o desenvolvimento do agorismo por Konkin. Quando perguntado por que ele escolheu se identificar como uma "esquerda libertária" ou libertária de esquerda, Konkin disse que estava "à esquerda" de Rothbard, por isso tornou-se natural referir-se ao seu movimento como libertário de esquerda. Ele também notou seu interesse em continuar a " aliança de Rothbard 1960-69 com a Nova Esquerda anti-armas nucleares e depois anti-guerra" .‬
‪“Entre figuras importantes no desenvolvimento do movimento libertário moderno, Konkin se destaca em sua insistência de que o libertarianismo corretamente concebido pertence à ala esquerda radical do espectro político”, escreve David S. D'Amato para Libertarianism.org “ His Movement of a esquerda libertária, fundada como uma coalizão de livre mercado esquerdista, resistiu à associação do libertarianismo com o conservadorismo. Posicionando-o ainda mais à esquerda, o agorismo abraça a noção de guerra de classes e implica uma análise distintamente libertária da luta de classes e estratificação. ”‬
‪Quando perguntado sobre as principais diferenças entre libertário de esquerda / agorismo e anarcocapitalismo, Konkin disse: “ Em teoria, aqueles que se autodenominam anarcocapitalistas não diferem drasticamente dos agoristas; ambos afirmam querer anarquia (apatridia, e concordamos bastante com a definição de Estado como um monopólio da coerção legitimada, emprestada de Rand e reforçada por Rothbard). Mas, no momento em que aplicamos a ideologia ao mundo real (como dizem os marxóides, "capitalismo realmente existente"), divergimos imediatamente em vários pontos ".‬
‪Nas palavras de Konkin, " os" anarcocapitalistas "tendem a fundir o Inovador (Empreendedor) e o Capitalista, da mesma forma que os marxóides e os coletivistas mais cruéis. Os agoristas são rigorosos rothbardianos e, eu diria, neste caso, ainda mais rothbardianos que Rothbard, que ainda possuíam algumas das antigas confusões em seu pensamento. ” Konkin também disse que os AnCaps de sua época tinham uma tendência a“ acreditar no envolvimento com partidos políticos existentes ” e usando o“ complexo de defesa dos EUA para combater o comunismo ”, o terrorismo ou qualquer outra causa equivocada. Embora se possa dizer que a AnCaps que apóia o Departamento de Defesa é minoria em 2016, o argumento ilustra que desde o início do movimento agorista, houve um esforço para segregar o elemento AnCap.‬
‪Konkin acreditava que " muito mais que o estatismo precisaria ser eliminado da consciência individual" para que uma sociedade verdadeiramente livre existisse. Com base nessa afirmação (e em seus escritos em outros lugares), parece claro que Konkin adotou um libertarianismo "grosso" que luta pela libertação coletiva por meios individuais e não termina sua análise no Statism. De fato, Konkin escreveu especificamente sobre a opressão contra as mulheres e a comunidade gay. ‬
‪Outra diferença entre o libertarianismo Konkiano e o dos “libertários da direita” é a questão da classe. Embora o direito normalmente evite análises baseadas em classes, Konkin ajudou a desenvolver o que ficou conhecido como "A teoria agorista das classes". A teoria de classes agorista refuta a teoria comunista de classes de Marx e reconhece as diferenças entre empresários não estatistas e capitalistas estatistas.‬
‪Konkin elaborou essas idéias em uma entrevista e em discussões no grupo Yahoo de esquerda e libertária . Mais uma vez ele destacou a importância de separar os “ não-inovadores e capitalistas pró-estatistas” dos “ capitalistas não-estatal (no sentido de detentores de capital, não necessariamente ideologicamente conscientes)” , chamando-os de “ neutra robô-como não -inovadores ” . Quando se tratava da classe trabalhadora, Konkin argumentou que o Estado sufocava a inovação e o empreendedorismo, o que mantinha a classe trabalhadora ocupada fazendo um trabalho ocupado sem sentido. Ele chamou trabalhadores e camponeses de “ uma relíquia embaraçosa de uma era anterior, na melhor das hipóteses, e aguarda com expectativa o dia em que eles desaparecerão por falta de demanda do mercado”.‬
‪Além disso, Konkin fez comentários favoráveis ​​em relação aos movimentos dos trabalhadores. No Yahoo-Grupo Libertário de Esquerda, Konkin disse que aprovou a tentativa dos Trabalhadores Industriais do Mundo (IWW) de recrutar libertários. Konkin disse que queria “ lembrar os antigos membros da MLL e informar aos novatos que, como mercado livre e pró-empresário, a MLL apóia sindicatos anarco-sindicalistas genuínos que sempre se recusam a colaborar com o Estado. (Na América do Norte, esse é o IWW e nada mais que eu saiba.) ” Ele observou que o IWW se separou do Partido Socialista dos EUA pelas mesmas razões que seu MLL se separou do Partido Libertário dos EUA -“ uma rejeição do parlamentarismo pela ação direta ” .‬
‪Konkin também discordou em confundir os termos "livre empresa" e "capitalismo" com o "mercado livre". " Capitalismo significa a ideologia (ism) do capital ou capitalistas" , escreveu ele. “ Antes de Marx aparecer, o puro comerciante Thomas Hodgskin já usava o termo capitalismo como pejorativo; os capitalistas estavam tentando usar a coerção - o Estado - para restringir o mercado. O capitalismo, então, não descreve um mercado livre, mas uma forma de estatismo, como o comunismo. A livre empresa só pode existir em um mercado livre. ”‬
‪Konkin se referiu a seu movimento como "revolucionário" e "radical", termos que geralmente são usados ​​para descrever movimentos de esquerda e rejeitados por "libertários de direita" e conservadores. O uso da terminologia da Nova Esquerda não foi um erro. Konkin estava fazendo um esforço consciente para distinguir sua marca de “anarquismo revolucionário de mercado” do crescente movimento anarcocapitalista.‬
‪Em conclusão, Samuel E. Konkin III criou com sucesso uma extensão da filosofia libertária, utilizando táticas consistentes da teoria à aplicação (Contra-Economia), enquanto fornecia um caminho para uma sociedade mais livre. Ele fez esforços para reconhecer as diferenças entre seu movimento e outros, mas ao mesmo tempo reconhecendo que o ataque contra-econômico pode ser realizado por um amplo espectro de antiestatistas. Se conseguirmos criar com êxito uma Aliança Panarquista de Contra-Economistas, ainda podemos construir um mercado verdadeiramente livre que permita experimentação e comércio gratuitos entre diferentes escolas de pensamento. Nesse espaço, veremos o florescimento do movimento agorista consciente.‬
‪Fontes:‬
‪1- Agorismo: Nosso Objetivo, O Manifesto Do Novo Libertário;‬
‪2- Contra-economia: nossos meios, O Manifesto Do Novo Libertário;‬
‪3- Agorismo Aplicado, Uma Cartilha Agorista;‬
‪4- Economia Aplicada, Uma Cartilha Agorista;‬
submitted by O-Pensador to Libertarianismo [link] [comments]


2019.09.06 02:48 O-Pensador Agorismo NÃO é Anarcocapitalismo

O objetivo deste ensaio é triplo. Primeiro, identificarei os conceitos-chave que descrevem a filosofia do agorismo e a estratégia da Contra-Economia, conforme descrito por Samuel E. Konkin III em “O Manifesto Do Novo Libertário” e “Uma Cartilha Agorista.” Segundo, ilustrarei como os radicais de todos os tipos podem utilizar a estratégia da contra-economia, conforme descrito por Konkin, sem necessariamente endossar sua filosofia do agorismo e seus princípios específicos. Finalmente, descreverei o que diferencia o agorismo do anarcocapitalismo e de outras escolas de pensamento. Mostrarei que, embora a estratégia contra-econômica possa ser utilizada por quase qualquer indivíduo, o agorismo em si não é simplesmente uma tensão ou subconjunto do anarcocapitalismo, mas uma filosofia política única.
Antes de me aprofundar, permita-me explicar brevemente a inspiração para o título deste ensaio e o próprio ensaio. Como demonstrarei, a mensagem agorista e a estratégia contra-econômica podem ser úteis para qualquer indivíduo que se encontre em busca de um mundo mais livre, justo e ético. No entanto, a razão pela qual o título se concentra no anarcocapitalismo é porque notei uma tendência nos círculos de mídia social “libertários de direita” / AnCap, em que os indivíduos afirmam apoiar as idéias de Konkin e seu agorismo, mas também expressam um desagrado pelo libertarianismo de esquerda . Meu objetivo é ajudar os leitores com esse ponto de vista a entender o papel essencial que Konkin e seu "Novo Libertarianismo", ou Agorismo, desempenharam no desenvolvimento do movimento Esquerda-Libertário Americano.
‘O Agorismo Como Libertarianismo Consistente’
Vamos começar entendendo a visão de Konkin. Konkin pediu a criação de um movimento revolucionário liderado por trabalhadores e empresários que cooperam voluntariamente em trocas econômicas que ocorrem fora do alcance do Estado. Ele chamou esse movimento de Nova Aliança Libertária. Konkin baseou suas idéias revolucionárias em uma base do libertarianismo na linha de Rothbard e dos anarquistas individualistas americanos antes dele. No Novo Manifesto Libertário, Konkin escreve:
“ Onde o Estado divide e vence sua oposição, o libertarianismo une e liberta. Onde o Estado fica alto, o libertarianismo esclarece; onde o Estado oculta, o libertarianismo descobre; onde o Estado perdoa, o libertarianismo acusa.
O libertarianismo elabora toda uma filosofia a partir de uma premissa simples: a violência iniciática ou sua ameaça (coerção) é errada (imoral, mal, ruim, supremamente impraticável etc.) e é proibida; nada mais é.
O libertarianismo, conforme desenvolvido até esse ponto, descobriu o problema e definiu a solução: o Estado versus o Mercado. O mercado é a soma de todas as ações humanas voluntárias. Se alguém age de maneira não coercitiva, faz parte do mercado. Assim, a Economia se tornou parte do libertarianismo. ”
A partir disso, Konkin desenvolveu seus pontos de vista sobre a propriedade:
“O libertarianismo investigou a natureza do homem para explicar seus direitos decorrentes da não coerção. Imediatamente se seguiu que o homem (mulher, criança, marciano etc.) tinha um direito absoluto a essa vida e a outras propriedades - e nenhuma outra.
Todo roubo é iniciação à violência, seja o uso da força para retirar propriedades involuntariamente ou para impedir o recebimento de mercadorias ou o retorno do pagamento por mercadorias que foram livremente transferidas por acordo.
Konkin se envolveu no crescente movimento libertário no final dos anos sessenta. Nesse ponto, os amantes da liberdade estavam começando a reconhecer o potencial de um movimento nacional de radicais antiestatistas e pró-mercado. No meio dessa oportunidade, Konkin viu ativistas libertários sendo atraídos para esquemas de "obter liberdade rapidamente", como a política eleitoral. Em um contra-ataque aos inimigos da liberdade, Konkin esboçou uma nova filosofia que ele acreditava ser simplesmente o resultado da aplicação dos princípios libertários aos seus fins mais consistentes e lógicos.
“ O princípio básico que leva um libertário do estatismo à sua sociedade livre é o mesmo que os fundadores do libertarianismo usaram para descobrir a própria teoria. Esse princípio é consistência. Assim, a aplicação consistente da teoria do libertarianismo a toda ação que o libertário individual toma cria a sociedade libertária.
Muitos pensadores expressaram a necessidade de consistência entre meios e fins e nem todos eram libertários. Ironicamente, muitos estatísticos alegam inconsistência entre fins louváveis ​​e meios desprezíveis; todavia, quando seus verdadeiros fins de maior poder e opressão foram compreendidos, seus meios são considerados bastante consistentes. Faz parte da mística estatista confundir a necessidade de consistência entre fins e meios; é, portanto, a atividade mais crucial do teórico libertário expor inconsistências. Muitos teóricos o fizeram admiravelmente; mas tentamos e mais falhámos em descrever a combinação consistente de meios e fins do libertarianismo.
O novo libertarianismo (agorismo) não pode ser desacreditado sem a liberdade ou a realidade (ou ambas) serem desacreditadas, apenas uma formulação incorreta. ”
Resumidamente, o agorismo pede a criação de uma nova sociedade, competindo diretamente com o Estado, em vez de confiar no voto, na política eleitoral ou na violência insurrecional. Konkin cunhou o termo agorismo após a palavra grega agora para "mercado aberto". Para alcançar essa ágora, Konkin pediu aos empreendedores que fizessem uso dos chamados "mercados preto e cinza". " Em resumo, o 'mercado negro' é algo não violento proibido pelo Estado e continuado de qualquer maneira", escreveu Konkin . “O 'mercado cinza' é usado aqui para significar negociar bens e serviços, não eles próprios ilegais, mas obtidos ou distribuídos de maneira legislada pelo Estado.”
Para Konkin, uma sociedade verdadeiramente libertária seria agorista - “ libertária na teoria e livre mercado na prática”. Essa sociedade incluiria o respeito à propriedade justamente adquirida, a cooperação voluntária entre empresários e produtores e a substituição de todos os "serviços" do Estado pela concorrência privada entre indivíduos e coletivos.
“A análise libertariana nos mostra que o Estado é responsável por qualquer dano a inocentes, que alega que o 'egoísta sonegador' tenha incorrido; e os 'serviços' que o Estado 'fornece' são ilusórios. Mas, mesmo assim, deve haver mais do que uma resistência solitária inteligentemente escondida ou 'desistência'? Se um partido político ou exército revolucionário é inapropriado e autodestrutivo para objetivos libertários, que ação coletiva funciona? A resposta é agorismo.”
O objetivo do agorismo é substituir todos os relacionamentos coercitivos e não consensuais por relacionamentos voluntários, baseados em benefícios mútuos via empreendedorismo nos mercados preto e cinza. Esse embaralhamento de " grandes coleções da humanidade, da sociedade estatista à ágora" foi " verdadeira atividade revolucionária". Segundo Konkin, os agoristas não devem lançar "ataques" ao Estado. " Somos estritamente defensivos", escreveu Konkin em An Agorist Primer , seu seguimento ao The New Libertarian Manifest.
Além disso, Konkin descreveu um agorista como " aquele que vive contra-economicamente sem culpa por suas ações heróicas do dia-a-dia, com a velha moral libertária de nunca violar a pessoa ou a propriedade de outra pessoa" . A filosofia enfatiza a importância de agir. “ Um agorista é aquele que vive agorismo. Não aceite falsificações. Há agoristas “tentando fazer jus a isso”. É claro que existem mentirosos que alegam ser qualquer coisa. Como Yoda disse sucintamente: Ou não. Não há tentativa.' Isso é agorismo.
‘Contra-economia como definida por Konkin’
Se o agorismo é a principal contribuição filosófica de Konkin, seu reconhecimento da Contraeconomia como caminho para o agorismo é igualmente importante. O termo Contraeconomia pode ser atribuído ao tempo e período em que Konkin desenvolveu suas idéias. " Contra-Cultura era uma frase popular, a única vitória duradoura dos" hippies ". A Contra-Economia implicava que a" revolução não havia terminado "e que o Sistema Econômico precisava passar pela mesma transformação que a Cultura, ” Konkin escreveu .
Conforme definido acima, os mercados de preto e cinza fazem parte da Contraeconomia, que Konkin definiu como “Toda ação humana (não coercitiva) cometida em desafio ao Estado”. De acordo com os princípios libertários de não agressão, Konkin rotula a violência inicial na forma de roubo ou assassinato como o "mercado vermelho", o único tipo de atividade que é evitada em sua contra-economia.
Konkin explica que, à medida que as atividades repressivas e opressivas do Estado aumentarem, o povo começará a procurar alternativas econômicas à regulamentação e interferência do Estado. Isso oferece aos Agoristas de visão de futuro uma oportunidade de lançar e apoiar atividades e negócios contra-econômicos. Konkin acreditava que, uma vez que a contra-economia tivesse progredido ao ponto de os empresários fornecerem ao público serviços de proteção e segurança que poderiam rivalizar ou se defender contra o Estado, a revolução agorista estaria completa.
“ Devagar, mas com firmeza, avançaremos para a sociedade livre, transformando mais contra-economistas em libertarianismo e mais libertários em contra-economia, finalmente integrando teoria e prática. A contraeconomia crescerá e se espalhará para o próximo passo que vimos em nossa viagem para trás, com uma sub-sociedade agorista cada vez maior incorporada na sociedade estatista. Alguns agoristas podem até se condensar em distritos e guetos discerníveis e predominar em ilhas ou colônias espaciais. Neste ponto, a questão da proteção e defesa se tornará importante. ”
“Eventualmente, é claro, após um período de mudanças cada vez mais rápidas desse tipo, o“ subterrâneo ”entrará e substituirá o“ solo ”; o estado murchará na irrelevância, seus contribuintes, soldados e agentes da lei o abandonaram para o mercado; e ficaremos com uma sociedade livre e agorista. ”
‘A contra-economia como ferramenta para todos os radicais’
Konkin imaginou um mundo de comunidades descentralizadas, ponto a ponto, conscientemente e voluntariamente, fazendo negócios na contra-economia como um meio para acabar com o Estado e libertar o povo. A gama de (e oportunidades para) atividade contraeconômica aumentou apenas com a expansão da Internet e tecnologia descentralizada, como cripto-moedas. Konkin discutiu várias formas de atividade contraeconômica, incluindo o uso de dinheiro para evitar a detecção, a troca, o investimento em metais preciosos, o emprego indocumentado, o uso de drogas e medicamentos ilícitos e ilegais, a prostituição, o comércio ilegal, o jogo, o comércio de armas ou simplesmente a prestação de um serviço. enquanto aceita o pagamento em moedas não estatistas.
As possibilidades são essencialmente infinitas e devem ser bem-vindas por todos os radicais que buscam alternativas ao Statism e ao status quo. Qualquer indivíduo ou coletivo que reconheça o monopólio econômico mantido pelo uso contínuo da Nota do Federal Reserve (dólar) deve apoiar medidas contraeconômicas e investir na criação de alternativas. Se sua idéia de liberdade econômica é de propriedade coletiva ou de natureza individualista, o agorismo oferece uma oportunidade para comunidades, bancos mútuos, lojas de tempo e mercados baseados na contra-economia. Isso permitirá que todos os empreendimentos contra-econômicos não estatistas cooperem e competam na busca de uma sociedade mais livre. Como Nick Ford observou, há uma oportunidade para uma aliança agorista-sindicalista e, em nosso primeiro livro, John Vibes e eu propomos a criação de uma aliança Agorista-Mutualista. Muito simplesmente, se você deseja abolir o Estado e a classe privilegiada que se beneficia com a sua existência, crie alternativas ao paradigma atual e supere as instituições arcaicas de ontem.
Devo notar que Konkin era crítico do comunismo. Em " Contra-economia: nossos meios", ele escreve, " a comuna anti-mercado desafia a única lei executável - a lei da natureza. A estrutura organizacional básica da sociedade (acima da família) não é a comuna (ou tribo ou tribo extendida ou Estado), mas a ágora. Não importa quantos desejem o comunismo trabalhar e se dedicar a ele, ele fracassará. Eles podem conter o agorismo indefinidamente por um grande esforço, mas quando deixam de lado, o 'fluxo' ou 'Mão Invisível' ou 'marés da história' ou 'incentivo ao lucro' ou 'fazendo o que vem naturalmente' ou 'espontaneidade' levarão a sociedade inexoravelmente mais perto da ágora pura. ”(3)
No entanto, não acho que sua percepção pessoal do comunismo deva desencorajar os indivíduos a investir na contra-economia. É provável que haja uma ampla gama de atividades, opiniões e soluções. Num mercado verdadeiramente livre, cada uma dessas persuasões poderia coexistir.
‘Entendendo a visão de agorismo de Konkin’
É importante distinguir a atividade contra-econômica da atividade agorista. Embora se possa ser traficante de drogas, prostituta, traficante de armas, barbeiro sem licença ou outro empresário do mercado cinza / preto, não se segue que também seja um contra-economista ou agorista praticante consciente. Geralmente, a atividade econômica nos mercados de preto e cinza é sempre contra-econômica, porque é isenta de impostos e retira o Estado da situação. Mas, sem a consciência da filosofia agorista e o esforço consciente para remover o poder econômico do Estado, alguém está simplesmente violando a lei do Estado. Embora desrespeitar as leis do estado contra crimes sem vítimas seja um ato louvável, ele não faz de um agorista. Em resumo, você pode apoiar e participar de empreendimentos contra-econômicos sem abraçar de todo o coração as idéias de Konkin,
‘Então, o que diferencia o agorismo do anarcocapitalismo e outras formas de anarquismo de mercado?’
Como observado anteriormente, Konkin foi uma parte vital do estabelecimento do movimento esquerda-libertário das décadas de 1960, 70 e 80. O Movimento da Esquerda Libertária nasceu das experiências de Konkin ao trabalhar com Murray Rothbard e Karl Hess na Esquerda e Direita , uma revista dedicada a reunir a “direita” antiestatista e a Nova Esquerda do final dos anos 60. Essas experiências influenciaram muito o pensamento e o desenvolvimento do agorismo por Konkin. Quando perguntado por que ele escolheu se identificar como uma "esquerda libertária" ou libertária de esquerda, Konkin disse que estava "à esquerda" de Rothbard, por isso tornou-se natural referir-se ao seu movimento como libertário de esquerda. Ele também notou seu interesse em continuar a " aliança de Rothbard 1960-69 com a Nova Esquerda anti-armas nucleares e depois anti-guerra" .
“Entre figuras importantes no desenvolvimento do movimento libertário moderno, Konkin se destaca em sua insistência de que o libertarianismo corretamente concebido pertence à ala esquerda radical do espectro político”, escreve David S. D'Amato para Libertarianism.org “ His Movement of a esquerda libertária, fundada como uma coalizão de livre mercado esquerdista, resistiu à associação do libertarianismo com o conservadorismo. Posicionando-o ainda mais à esquerda, o agorismo abraça a noção de guerra de classes e implica uma análise distintamente libertária da luta de classes e estratificação. ”
Quando perguntado sobre as principais diferenças entre libertário de esquerda / agorismo e anarcocapitalismo, Konkin disse: “ Em teoria, aqueles que se autodenominam anarcocapitalistas não diferem drasticamente dos agoristas; ambos afirmam querer anarquia (apatridia, e concordamos bastante com a definição de Estado como um monopólio da coerção legitimada, emprestada de Rand e reforçada por Rothbard). Mas, no momento em que aplicamos a ideologia ao mundo real (como dizem os marxóides, "capitalismo realmente existente"), divergimos imediatamente em vários pontos ".
Nas palavras de Konkin, " os" anarcocapitalistas "tendem a fundir o Inovador (Empreendedor) e o Capitalista, da mesma forma que os marxóides e os coletivistas mais cruéis. Os agoristas são rigorosos rothbardianos e, eu diria, neste caso, ainda mais rothbardianos que Rothbard, que ainda possuíam algumas das antigas confusões em seu pensamento. ” Konkin também disse que os AnCaps de sua época tinham uma tendência a“ acreditar no envolvimento com partidos políticos existentes ” e usando o“ complexo de defesa dos EUA para combater o comunismo ”, o terrorismo ou qualquer outra causa equivocada. Embora se possa dizer que a AnCaps que apóia o Departamento de Defesa é minoria em 2016, o argumento ilustra que desde o início do movimento agorista, houve um esforço para segregar o elemento AnCap.
Konkin acreditava que " muito mais que o estatismo precisaria ser eliminado da consciência individual" para que uma sociedade verdadeiramente livre existisse. Com base nessa afirmação (e em seus escritos em outros lugares), parece claro que Konkin adotou um libertarianismo "grosso" que luta pela libertação coletiva por meios individuais e não termina sua análise no Statism. De fato, Konkin escreveu especificamente sobre a opressão contra as mulheres e a comunidade gay.
Outra diferença entre o libertarianismo Konkiano e o dos "libertários da direita" é a questão da classe. Embora o direito normalmente evite análises baseadas em classes, Konkin ajudou a desenvolver o que ficou conhecido como "A teoria agorista das classes". A teoria de classes agorista refuta a teoria comunista de classes de Marx e reconhece as diferenças entre empresários não estatistas e capitalistas estatistas.
Konkin elaborou essas idéias em uma entrevista e em discussões no grupo Yahoo de esquerda e libertária . Mais uma vez ele destacou a importância de separar os “ não-inovadores e capitalistas pró-estatistas” dos “ capitalistas não-estatal (no sentido de detentores de capital, não necessariamente ideologicamente conscientes)” , chamando-os de “ neutra robô-como não -inovadores ” . Quando se tratava da classe trabalhadora, Konkin argumentou que o Estado sufocava a inovação e o empreendedorismo, o que mantinha a classe trabalhadora ocupada fazendo um trabalho ocupado sem sentido. Ele chamou trabalhadores e camponeses de “ uma relíquia embaraçosa de uma era anterior, na melhor das hipóteses, e aguarda com expectativa o dia em que eles desaparecerão por falta de demanda do mercado”.
Além disso, Konkin fez comentários favoráveis ​​em relação aos movimentos dos trabalhadores. No Yahoo-Grupo Libertário de Esquerda, Konkin disse que aprovou a tentativa dos Trabalhadores Industriais do Mundo (IWW) de recrutar libertários. Konkin disse que queria “ lembrar os antigos membros da MLL e informar aos novatos que, como mercado livre e pró-empresário, a MLL apóia sindicatos anarco-sindicalistas genuínos que sempre se recusam a colaborar com o Estado. (Na América do Norte, esse é o IWW e nada mais que eu saiba.) ” Ele observou que o IWW se separou do Partido Socialista dos EUA pelas mesmas razões que seu MLL se separou do Partido Libertário dos EUA -“ uma rejeição do parlamentarismo pela ação direta ” .
Konkin também discordou em confundir os termos "livre empresa" e "capitalismo" com o "mercado livre". " Capitalismo significa a ideologia (ism) do capital ou capitalistas" , escreveu ele. “ Antes de Marx aparecer, o puro comerciante Thomas Hodgskin já usava o termo capitalismo como pejorativo; os capitalistas estavam tentando usar a coerção - o Estado - para restringir o mercado. O capitalismo, então, não descreve um mercado livre, mas uma forma de estatismo, como o comunismo. A livre empresa só pode existir em um mercado livre. ” (5)
Konkin se referiu a seu movimento como "revolucionário" e "radical", termos que geralmente são usados ​​para descrever movimentos de esquerda e rejeitados por "libertários de direita" e conservadores. O uso da terminologia da Nova Esquerda não foi um erro. Konkin estava fazendo um esforço consciente para distinguir sua marca de “anarquismo revolucionário de mercado” do crescente movimento anarcocapitalista.
Em conclusão, Samuel E. Konkin III criou com sucesso uma extensão da filosofia libertária, utilizando táticas consistentes da teoria à aplicação (Contra-Economia), enquanto fornecia um caminho para uma sociedade mais livre. Ele fez esforços para reconhecer as diferenças entre seu movimento e outros, mas ao mesmo tempo reconhecendo que o ataque contra-econômico pode ser realizado por um amplo espectro de antiestatistas. Se conseguirmos criar com êxito uma Aliança Panarquista de Contra-Economistas, ainda podemos construir um mercado verdadeiramente livre que permita experimentação e comércio gratuitos entre diferentes escolas de pensamento. Nesse espaço, veremos o florescimento do movimento agorista consciente.
Fontes:
1- Agorismo: Nosso Objetivo, O Manifesto Do Novo Libertário;
2- Contra-economia: nossos meios, O Manifesto Do Novo Libertário;
3- Agorismo Aplicado, Uma Cartilha Agorista;
4-Economia Aplicada, Uma Cartilha Agorista;
submitted by O-Pensador to AnarquismoBrasil [link] [comments]


2016.08.02 15:00 EP-GHERAMER PARADOXOS

Sentado na beirada da cama, com a bíblia aberta numa passagem marcada do evangelho, Benjamim - instantaneamente, como num flash, num insigth - viu-se diante de uma realidade que não estava sujeita a explicações lógicas. Antes, pelo contrário, estava repleta de paradoxos e onde o maior deles era o próprio Deus e o que restou foi um enorme vazio no peito. - Sem dúvida – pensou -, nenhum outro livro tem mais paradoxos do que este. Teve a nítida impressão de que se o sacudisse, dele cairia uma torrente de coisas inexplicáveis. Segurando-o entre as mãos, percebeu que segurava “paradoxos”, pensamentos e argumentos que contrariavam os princípios básicos e gerais que costumam orientar o pensamento humano, desafiando a opinião concebida, a crença ordinária e compartilhada pela maioria. - Mas, o que era um paradoxo? – Se perguntou e em seguida começou a procurar uma resposta ou respostas. - Um paradoxo é uma ideia contraditória, ou pelo menos, assim parece sê-lo, mas, também pode ser alguma ideia contrária à opinião aceita, contrária ao bom senso, ou, meramente contraditória, ou, ainda algo que pareça autocontraditório. Também pode ser uma ideia ou uma declaração aparentemente absurda, mas que, na realidade, pode exprimir uma verdade. Por último, podem ser declarações ou ideias que, efetivamente, são absurdas ou falsas, e, portanto, “inacreditáveis”. Com as rédeas do pensamento soltas, lembrou-se de um filósofo grego místico da antiguidade que expôs o que ficou conhecido como “paradoxo do mentiroso”, que dizia: “Se um mentiroso confesso disser: Se estou mentindo, estou dizendo a verdade?”. - Na verdade, não temos certeza sobre o que pensar então – disse Benjamim e logo se lembrou de outro que veio confundi-lo ainda mais. Este escrevera, em uma das faces de cartão: “A sentença do outro lado deste cartão é verdadeira”. Virando o cartão, achava-se a declaração: “A sentença do outro lado deste cartão é falsa”. Ora, se é assim, que cada um faça a sua escolha – disse para si mesmo. Para Benjamim, dizendo-se que uma sentença é verdadeira é dizer que estamos concordando com uma sentença, mas, se ela exprime, realmente, uma verdade já é coisa bem diferente. E como podemos ter certeza? As pessoas odeiam complicações que perturbem os seus sistemas e Benjamim não era diferente. Segundo ele pensava, um paradoxo nos deveria levar a fazer a seguinte admissão: Lamento, mas não sei como dar uma resposta lógica e isenta de dificuldades a este problema. A dificuldade é que aqueles que se dedicam à ciência ou estudo que se ocupa de Deus, de sua natureza e seus atributos e de suas relações com o homem e com o universo não gostam de fazer tal admissão. E alguns são extremamente arrogantes acerca de seus sistemas, reduzindo sua teologia em humanologia – pensava Benjamim. Por outro lado, alguns estudiosos assumem a tarefa de mostrar que os paradoxos não são autocontraditórios. Mas eles só conseguem convencer a si mesmo, e a seus alunos particulares. Andando de um lado para o outro, entrando e saindo de todos os cômodos da casa, ao mesmo tempo em que pensava, falava. - Enquanto eu não for vastamente mais inteligente do que sou agora, e enquanto meu conhecimento não for quase infinitamente superior do que é atualmente, não poderei escapar desses paradoxos. A linguagem humana não pode reduzir verdades a proposições perfeitamente lógicas. Este é um pensamento por demais absurdo para merecer a minha consideração. Há experiências espirituais que ultrapassam as categorias da intelecção humana, sendo experiências que não se pode nomear ou descrever em razão de sua natureza, força e beleza; que não podem ser expressas em termos da linguagem humana. Qualquer tentativa para explicar o Mysterium Tremendum que é Deus, automaticamente envolve-nos em uma série de paradoxos... Deus é pessoal ou impessoal? e como? Deus é infinito, mas manifesta-se no finito? e como? Qual a síntese verdadeira desses problemas acha-se na Mente divina, mas não na humana? Os homens têm teses e antíteses. Para efeito de harmonização, as teologias sistemáticas ignoram alguma tese ou antítese. Mas não são capazes de elaborar uma síntese apropriada. Além disso, ele não aceitava as explicações antropomórficas que os homens oferecem, na tentativa de explicar Deus. Tais explicações expõem um super-homem, e não um Ser transcendental. Mas, nenhum de nós realmente compreende a infinitude... E o que fazemos? Usamos essas palavras para esconder nossa ignorância com declarações aparentemente profundas. O mesmo acontece quando falamos sobre o espírito. Sabemos que se trata de algo bem diferente da matéria, mas não podemos apresentar boas definições nem da matéria e nem do espírito. E em seguida, quando procuramos dissertar sobre o Espírito Absoluto, ficamos essencialmente vazios de descrições; e mesmo quando se consegue balbuciar alguma coisa, isso fica muito aquém da realidade dos fatos. Somente aqueles que são ingênuos não conseguem reconhecer essas dificuldades. Saímo-nos um pouco melhor quando falamos sobre o homem. O homem é espírito e matéria. E mesmo assim, a experiência humana e o misticismo, de um modo geral, têm-nos dado mais descrições sobre os homens do que sobre o Ser Divino. E o nosso conhecimento científico não tem contribuído grande coisa para dispersar os mistérios que circundam o ser humano, a sua origem, a sua vida presente e o seu destino. Aquele livro falava sobre o Deus-homem encarnado, chamado Cristo, em sua missão messiânica. Para Benjamim, isso constitui um paradoxo e algo que somente pode ser aceito mediante a fé... De alguma maneira inexplicável, o divino e o humano fundiram-se em um único ser, Cristo Jesus. Mas até hoje ninguém descobriu uma maneira muito inteligente de descrever essas duas naturezas, tão diferentes entre si, que podem coexistir em uma única pessoa. Os estudiosos têm lutado muito para prover algumas úteis definições; mas é apenas a tentativa de explicar o inexplicável. E quanto ao problema do determinismo versus livre-arbítrio? A questão é a relação entre essas duas realidades. Na história eclesiástica vemos denominações separando-se de outra em torno dessa questão. Há grupos ferrenhos defensores do divino determinismo e há outros que morrem pelo livre-arbítrio humano. Mas, a verdade é que as Escrituras ensinam ambas as coisas, mas nunca tentam reconciliar esses dois conceitos. Assim, o determinismo é a tese; o livre-arbítrio a antítese. E constitui um autêntico suicídio espiritual quando alguém simplesmente elimina uma face dessas facetas da verdade revelada. Ouve-se muito falar que indivíduos não espirituais vivem uma polêmica ignorante constante. Mas aqueles que, pela fé, aventuram-se a dar o salto no escuro, para descobrir a verdade, deleitam-se com aquilo que descobrem. Quanto à síntese desse paradoxo, para Benjamim ela só pode existir na Mente divina. Naturalmente, é possível que, conforme espiritualidade do homem for crescendo, talvez enquanto ainda mortal (mas muito mais certamente quando já tiver recebido a imortalidade), que certos paradoxos venham a ser solucionados. Mas, antes disso, as soluções fabricadas deixavam Benjamim espiritualmente faminto. Por causa da diversidade e complexidade da realidade e também em face das limitações da finita e presunçosa razão humana de conhecer o bem e o mal, os melhores esforços do homem para vir a conhecer a realidade, levam-no tão-somente a produzir verdades igualmente razoáveis (ou aparentemente razoáveis), posto que irreconciliáveis (ou aparentemente irreconciliáveis). Nesses casos – pensava Benjamim -, os homens aproximam-se mais da verdade quando defendem ambos os lados de qualquer questão paradoxal, em vez de defenderem apenas um lado ou outro da mesma questão. Os homens geralmente buscam mais o consolo mental do que mesmo a verdade, ainda que a maioria não reconheça isso. Contudo, o consolo mental jamais será equivalente à verdade. Alguém já disse: “Creio porque é absurdo!”. Com isso, ele quis dizer que é uma estupidez de nossa parte supor que a verdade divina precisa corresponder ao nosso raciocínio humano. É verdade que há verdades assim; mas há verdades que estão acima do nosso alcance! Os paradoxos ocupam posição proeminente nos escritos de certos autores, que têm percebido a inevitabilidade dos paradoxos. Deus infinito, que vive fora do tempo e que não pode ser sondado, estendeu a mão à mente humana, que é finita, limitada e vive dentro do tempo. Era o que Benjamim depreendia da leitura daquele livro. Sendo assim, somente os olhos da fé são capazes de divisar algo, onde o intelecto falha totalmente. A fé tateia a verdade real em ideias e circunstâncias; e essa fé – e apenas ela - compreende que somente a Mente divina tem a síntese dos paradoxos. E isso significa que essa síntese está à nossa disposição? Dizem que talvez não para esta vida, não para o homem ainda em sua mortalidade – tal crença Nietzsche chamou de “muleta metafísica”. No entanto, muitos intérpretes, quanto a questões críticas, reconhecem apenas um polo, quando há dois: o lado divino e o lado humano. Benjamim acreditava que o homem que reconhece os “opostos” quanto a certas verdades fundamentais e procura expor descrições sobre ambos, talvez com alguma tentativa de reconciliação, é um homem que estará mais perto da verdade do que aquele que apresenta uma boa descrição sobre um só dos polos, mas ignorantemente supõe que esse polo não tem o seu oposto natural.
No mais, deixamos aqui escrita a passagem que deu origem a todas essas reflexões em Benjamim; ela encontra-se em Mateus, capítulo vinte e dois, versículos de trinta e sete a quarenta.
“Respondeu-lhe Jesus: Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento. Este é o grande e primeiro mandamento. O segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.”
O que mais podemos dizer ainda sobre nosso herói? Benjamim buscara a Deus, e, finalmente, entregara sua alma a uma direta comunhão com Deus, e não tanto a uma abordagem meramente intelectual.
EP. Gheramer
submitted by EP-GHERAMER to literatura [link] [comments]


Quer se hospedar de graça ou quase? Estes 14 sites vão te ...